Câmaras

Social democrata Ricardo Alves diz que “Falar em agregação de municípios é demasiado curto”

Notícias de Coimbra | 10 anos atrás em 31-10-2013

O vice-presidente da Comunidade Intermunicipal do Pinhal Interior Norte, Ricardo Alves, do PSD disse hoje que “falar simplesmente em agregação de municípios é demasiado curto” e que “é preciso perceber todo o enquadramento da proposta”.

PUBLICIDADE

As declarações daquele que é também presidente da Câmara de Arganil surgem após ter sido tornado público na quarta-feira o guião com orientações para a Reforma do Estado, aprovado pelo Governo, e que propõe a agregação de municípios como forma de continuar a reforma administrativa iniciada com a freguesias.

O responsável pela entidade que integra 14 municípios da Região Centro do país defendeu que “importa saber que competências e atribuições é que seriam passadas para as autarquias” e que se deve “explicar se o caminho a seguir é o intermunicipalismo ou criações de regiões administrativas”.

PUBLICIDADE

publicidade

Ricardo Alves sustentou que “não pode haver posições de princípio ‘sim’ ou ‘não’ sem existir qualquer tipo de enquadramento”.

“Do ponto de vista territorial, – e iniciado um novo ciclo autárquico – o Governo não deve deixar isolada a reforma das freguesias e deve abrir um diálogo com a Associação Nacional de Municípios”, refere o guião para a Reforma do Estado.

PUBLICIDADE

O objetivo será a “instituição, de preferência, com o máximo consenso interpartidário possível, de um processo de reforma dos municípios aberto e contínuo, que facilite e promova a sua agregação”.

O Governo quer, também, “preparar um novo processo de transferência de competências da Administração Central para os municípios e as entidades intermunicipais”.

“Sem prejuízo de outras áreas a identificar (…), devem poder considerar-se transferências em áreas como a educação, ainda sob responsabilidade central, serviços locais de saúde, contratos de desenvolvimento e inclusão social, cultura, participação na rede de atendimento público dos serviços do Estado, transportes e policiamento de trânsito onde se justifique”, adianta o guião.

De acordo com o documento apresentado pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, “este processo de transferência de competências deverá procurar maximizar a eficiência e a coesão territorial e implica a definição de regras de gestão e envelopes financeiros”.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE