Coimbra

Prova não SUPERAda! Maioria não quer espanhóis no ginásio do Vale das Flores

Notícias de Coimbra | 5 anos atrás em 29-01-2019

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) rejeitou, na sua reunião desta terça-feira, o relatório final do júri do concurso público para a concessão de exploração (ao grupo espanhol Supera) de um terreno municipal, na Av. Mendes Silva, visando a construção de um Complexo Desportivo Integrado (e sua exploração) e do Centro Olímpico de Ginástica.

PUBLICIDADE

A proposta recebeu os votos desfavoráveis dos  vereadores do PSD (3), Somos Coimbra (2) e CDU (1) e favoráveis dos 5 eleitos do PS. 

O júri do concurso propunha a adjudicação à empresa Supera Areeiro, S.A., a única que se submeteu a concurso.

PUBLICIDADE

Recordamos que autarquia afirma que esta era uma forma de ajudar a encontrar soluções para novos equipamentos desportivos de modalidades em crescimento, como a ginástica aeróbica e de trampolins, que exige um espaço próprio e muito específico.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Nesse sentido, a contrapartida a pagar pelo concessionário era traduzida na construção e equipamento do Centro Olímpico de Ginástica, a entregar ao Município de Coimbra no prazo máximo de um mês após a abertura e início da exploração do Complexo Desportivo.

O Centro Olímpico de Ginástica, avaliado em 824 mil euros, seria dotado de todo o equipamento homologado pela Federação Internacional de Ginástica, destinado a prática desportiva “indoor”, designadamente, todo o equipamento necessário às disciplinas de ginástica acrobática e de trampolins.

O equipamento deveria ter as dimensões obrigatórias definidas em regulamento da modalidade de ginástica.

Por outro lado, o Complexo Desportivo Integrado teria uma zona exterior de piscinas e praça de acessos, que se irá gerir, manter e conservar pela concessionária.

Estes equipamentos representam uma área de implantação de 3.978m2, com uma cércea máxima de dois pisos e de três pisos, e prevê ainda a construção de um estacionamento subterrâneo a ser gerido pela empresa concessionária.

A concessão da exploração seria válida pelo prazo de 40 anos, sendo que no final voltaria o terreno à posse do Município de Coimbra, sendo assimilado no património municipal o Complexo Desportivo Integrado.

A informação da CMC vem confirmar o que Notícias de Coimbra tinha avançado em 2018. O centro já tinha destinatário antes da realização do concurso público. 

Operando com a marca comercial Supera, os espanhóis afirmam que são “líderes indiscutíveis no nosso setor tanto em tamanho, como rentabilidade e gama de produtos oferecidos” em áreas como os SPA e health clubs.

Ouça tudo o que foi dito na reunião da CMC:

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE