Conecte-se connosco

Governo

Marcelo Rebelo de Sousa afirma não ter indicação de que António Costa pensa sair a meio da legislatura

Publicado

em

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje não ter indicação de que António Costa pensa deixar o cargo de primeiro-ministro a meio da legislatura e negou qualquer “irritante” entre os dois.

Interrogado pelos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa, se o aviso que fez a António Costa de que será difícil substituí-lo a meio da legislatura se deveu a alguma indicação de que o primeiro-ministro tem planos para sair a meio do mandato, o chefe de Estado respondeu: “Não”.

“Não, não, não não. É porque é uma evidência. Eu estive ali a dizer as evidências do voto dos portugueses: votaram numa maioria absoluta, poderiam ter votado noutras escolhas, votaram na estabilidade e votaram para que essa estabilidade pudesse resolver os problemas do país”, acrescentou.

Questionado novamente se algum dado o leva a crer que António Costa pode vir a sair a meio da legislatura, Marcelo Rebelo de Sousa retorquiu: “Já respondi. Não tenho nada mais a acrescentar”.

Segundo o Presidente da República, “nunca houve irritante nenhum” com o primeiro-ministro, “não há irritantes”, e a relação entre os dois não será prejudicada pela intervenção que fez na quarta-feira na cerimónia de posse do novo Governo.

À pergunta se gostaria de ter ouvido do primeiro-ministro a garantia de que quer cumprir o mandato até ao fim, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “decorreu do que ele disse a predisposição de olhar para a legislatura, falou até ao fim da legislatura, legislatura parlamentar”.

No seu discurso na quarta-feira, António Costa disse que “a maioria absoluta corresponde a uma responsabilidade absoluta para quem governa”, acrescentando: “Os portugueses resolveram nas eleições a crise política e garantiram estabilidade até outubro de 2026. Estabilidade não é sinónimo de imobilismo, é sim, exigência de ambição e oportunidade de concretização. Temos a obrigação de aproveitar a estabilidade para antecipar a incerteza, enfrentando corajosamente os desafios estruturantes com que nos confrontamos”.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade