Governo

João Gomes Cravinho repudiou de forma “veemente e inequívoca” qualquer ligação a casos de corrupção na Defesa

Notícias de Coimbra | 2 meses atrás em 29-09-2023

O ministro dos Negócios Estrangeiros repudiou hoje de forma “veemente e inequívoca” qualquer ligação a alegados casos de corrupção na Defesa, reiterando não ter estado envolvido no polémico contrato com o ex-secretário de Estado Marco Capitão Ferreira.

PUBLICIDADE

publicidade

Numa nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o anterior titular da pasta da Defesa afasta mais uma vez a ideia de ter estado envolvido no contrato celebrado entre a Direção-Geral de Recursos de Defesa Nacional e Marco Capitão Ferreira.

PUBLICIDADE

O Expresso noticia hoje que um dos arguidos no caso “Tempestade Perfeita”, Paulo Branco, à época responsável financeiro na Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, implicou João Gomes Cravinho no caso do contrato de assessoria no valor de cerca de 50 mil euros celebrado com Marco Capitão Ferreira.

PUBLICIDADE

Segundo o semanário, Paulo Branco declarou que o então ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, “tinha concordado” ou até “pedido” para se fazer um contrato de assessoria com Capitão Ferreira para o compensar e “pôr as contas em dia” pelos trabalhos realizados numa “comissão fantasma” que funcionava na órbita do seu gabinete.

Esta acusação é negada por João Gomes Cravinho ao Expresso.

PUBLICIDADE

3

No email hoje enviado à imprensa, o ministro dos Negócios Estrangeiros reitera as respostas ao jornal e volta a divulgar declarações públicas sobre o caso, prestadas em sede parlamentar.

“Repudio de forma veemente e inequívoca a sugestão feita na manchete do jornal Expresso”, afirma hoje João Gomes Cravinho.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE