Justiça

Xuxas papaia com coca

Notícias de Coimbra | 3 semanas atrás em 02-04-2024

 O comerciante Gurvinder Singh garantiu que desconhecia que paletes da fruta importada do Brasil serviam para transportar a cocaína do tráfico imputado a Rúben Oliveira (“Xuxas”), que começou hoje a ser julgado.

PUBLICIDADE

O arguido Gurvinder Singh falava na primeira sessão de julgamento do processo de tráfico de droga agravado, associação criminosa e branqueamento de capitais que envolve 16 arguidos singulares e três empresas, num esquema alegadamente liderado por Rúben Oliveira (conhecido como “Xuxas”) para traficar cocaína vinda da América Latina.

Gurvinder Singh, que foi um dos dois arguidos a querer prestar declarações nesta primeira sessão de julgamento, assegurou que só soube que a importação de fruta do Brasil servia para encobrir a droga quando foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) em 14 de fevereiro de 2022, pois até lá “não tinha conhecimento que as papaias traziam a cocaína”, assim como a polpa de açaí que também era importada.

PUBLICIDADE

O arguido respondia após ter sido questionado pela juíza presidente Filipa Araújo sobre se não desconfiou que a importação da fruta encobria o tráfico de cocaína, uma dúvida sobre o grau de responsabilidade de Gurvinder Singh que foi também manifestada pela procuradora no processo, que confrontou o comerciante com atos por este praticados e documentação do processo.

Gurvinder Singh manteve sempre a sua versão, esclarecendo que muitos dos pagamentos relacionados com a importação e transporte da fruta foram pagos por outros arguidos, designadamente por Luís Ferreira (“Ari”) e José Cabral, que lhe adiantou 150 euros em dinheiro para que fosse alugada uma carrinha que iria buscar um carregamento de papaias que tinha chegado ao aeroporto de Lisboa.

PUBLICIDADE

Durante a sessão, o arguido foi confrontado com fotos de vigilância da PJ, conversas mantidas com outros arguidos nas redes sociais WhatsApp e Signal e documentação ligada à importação da fruta, que Gurvinder Singh alegou ter conseguido escoar e revender por fregueses e outros comerciantes de Lisboa.

Antes, Gurvinder Singh, cidadão português, relatou que conheceu primeiro Rúben Oliveira, que costumava ir fazer compras à sua loja nos Olivais e que lhe apresentou, em 2021, Luís Ferreira (conhecido por “Ari”).

O comerciante contou que “Ari” lhe propôs o negócio de importar fruta do estrangeiro “a preços muito mais baixos em relação ao mercado” português. Admitiu que, apesar de ser o gerente da loja, passou a ser Luís Ferreira (“Ari”) a estar na posse de “todos os dados da empresa” comercial para importar fruta indicando que foi “Ari” que chegou a pagar diretamente às alfândegas e a “tratar de tudo”.

Também o arguido William Cruz prestou hoje declarações para negar que tivesse sido o “batedor” e o “vigia” no negócio do transporte e comércio da cocaína.

Segundo a acusação, o grupo criminoso, liderado por Rúben Oliveira, tinha “ligações estreitas” com organizações de narcotráfico do Brasil e da Colômbia e desde meados de 2019 importava elevadas quantidades de cocaína da América do Sul.

A organização chefiada por “Xuxas” tinha – ainda de acordo com a acusação – ramificações em diferentes estruturas logísticas em Portugal, nomeadamente junto dos portos marítimos de Setúbal e Leixões e no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, permitindo assim utilizar a sua influência para importar grandes quantidades de cocaína escapando a fiscalização.

Naqueles locais de desembarque, a PJ realizou apreensões de cocaína que envolvem arguidos que supostamente obedeciam a ordens de Rúben Oliveira. A cocaína era introduzida em Portugal através de empresas importadoras de frutas e de outros bens alimentares e não alimentares, fazendo uso de contentores marítimos. A droga entrava também em malas de viagem por via aérea desde o Brasil até Portugal.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE