Conecte-se connosco

Discotecas

Wikinight ajuda os portugueses a regressar à vida noturna

Publicado

em

Wikinight, plataforma online que funciona como guia da vida noturna em Portugal, está preparada para facilitar as saídas à noite através de informação útil e tecnologia adequada às recomendações da DGS. Com a reabertura dos bares e discotecas dia 1 de outubro, a empresa portuguesa fundada em 2018 investiu 100 mil euros no desenvolvimento de uma solução que une logística e segurança, unificando todo o processo de entrada, apresentação do certificado digital e pagamento numa única aplicação.
 
Em agosto, as discotecas e bares com pista de dança tiveram autorização para ter as portas abertas, mas apenas como estabelecimentos de restauração, fazendo com que as pessoas apenas pudessem permanecer sentadas e com horários muito limitados, pelo que muitos espaços continuaram fechados por falta de condições.
 
Neste regresso anunciado em Conselho de Ministros a 23 de setembro, o governo decretou a obrigatoriedade de leitura de QR Code para validação de certificados COVID-19 (válido para as pessoas com processo de vacinação concluído e testes PCR negativos).

Diversão noturna à distância de alguns cliques no telemóvel – desde a escolha do local à entrada e saída do estabelecimento
 
Do ponto de vista dos utilizadores, a plataforma Wikinight reúne de forma gratuita informação sobre eventos, discotecas, bares e artigos com novidades e sugestões. 
 
Ao criar o perfil gratuito na plataforma, os utilizadores têm acesso a inúmeros eventos e festas e podem fazer diretamente o registo na guest list digital, antigamente apenas possível através do “passa-palavra”, agregar o certificado digital, e é gerado um QR Code para garantir a entrada rápida (sem aglomerados) e sem contacto físico entre o staff e os visitantes. De forma a reforçar os novos procedimentos recomendados para uma diversão segura, a aplicação envia uma mensagem automática com as regras de segurança em vigor para cada estabelecimento.
 
A aplicação, além de dar acesso a ofertas e promoções exclusivas em vários espaços e eventos parceiros, permite realizar todos os pagamentos necessários ao longo do processo de forma virtual, desde a pré-reserva ao pagamento de consumos através de MB Way ou Multibanco. O objetivo é evitar trocas de dinheiro no local e filas para pagamento, que podem significar ajuntamentos desnecessários e desaconselhados pela Direção Geral da Saúde.
 
“Em 2019 a Wikinight veio preencher uma lacuna grande no que toca à vida noturna em Portugal. Durante a pandemia, tal como tantos outros negócios, decidimos adequar-nos às novas preocupações e necessidades do mercado, investindo os nossos recursos para melhorar a plataforma de forma a darmos resposta ao tão aguardado regresso do (novo) normal”, comenta Francisco Coutinho, fundador da Wikinight, “durante um ano e meio, sair à noite, ir a festas, festivais ou eventos não nos era permitido e agora que podemos voltar a hábitos antigos é de extrema importância que o façamos em segurança de forma a garantir a continuidade do levantamento de restrições.”

A vertente Wikinight Business, dedicada aos estabelecimentos noturnos, oferece um software inteligente para controlo e segurança que opera simultaneamente como uma ferramenta de marketing digital.

Através de um backoffice personalizado às necessidades dos estabelecimentos noturnos e adaptado às limitações atuais do Covid, os espaços têm a oportunidade única de poder organizar e gerir tudo o que se passa na noite, desde estatísticas a Relações Públicas/promotores, entre outros.

Como motivador de crescimento dos negócios, a Wikinight Business funciona também como uma ferramenta de marketing digital para estes espaços – é possível enviar comunicações, promoções e ofertas para os clientes em tempo real.

Para aderir, os proprietários devem entrar na página Business do site da Wikinight onde estará a decorrer uma campanha de 50% de desconto até dia 30 de novembro.

Em 2019, a plataforma contava com 100 parcerias com eventos/estabelecimentos de diversão noturna em Portugal.

Segundo declarações recentes prestadas aos meios de comunicação social, Paulo Dâmaso, CEO do grupo K e representante de bares e discotecas na AHRESP, já utiliza “guest list” no Urban Beach e pretende aderir à adaptação do software de controlo. «É uma das premissas em termos da tal segurança e de haver o menor contacto possível em termos de manuseamento de numerário», afirma.

“A digitalização do acesso aos estabelecimentos de diversão noturna tornou-se essencial para o setor, o que representa uma verdadeira transformação e um enorme desafio para a esmagadora maioria dos proprietários. Ao sermos parceiros diretos de vários espaços noturnos, pudemos acompanhar de perto as suas necessidades e a reformulação total do nosso backoffice espelha o nosso desejo de sermos um verdadeiro aliado na hora do tão aguardado reabrir de portas”, concluiu Francisco Coutinho.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade