Conecte-se connosco

Coimbra

Vendedores do Mercado querem reunião com José Manuel Silva (com vídeos)

Publicado

em

Os vendedores do Mercado D. Pedro V, na Baixa de Coimbra, pedem reunião com o novo presidente da Câmara Municipal conimbricense, José Manuel Silva. O ex-bastonário da Ordem dos Médicos foi eleito com maioria absoluta, nas eleições autárquicas do passado domingo.

O Notícias de Coimbra esteve, esta manhã, neste espaço emblemático da cidade e constatou que a mudança de cor nos Paços do Concelho não foi uma surpresa, até porque “já havia muitas pessoas que não estavam satisfeitas” com Manuel Machado, “principalmente o comércio”, disse, ao NDC, Manuela Silva.

“Se o novo presidente quer o nosso bem e o bem da praça, faça um projeto capaz de chamar povo”, acrescentou esta vendedora no Mercado D. Pedro V, que pede uma reunião com José Manuel Silva, “para os comerciantes dizerem o que é que o mercado precisa”. O apelo é feito por outros vendedores que também querem ter uma palavra a dizer sobre o espaço onde trabalham.

Ana Paula, do Talho Carnes da Nossa Aldeia, não conhece o novo autarca, mas espera que “se dê continuidade às obras que estão a ser feitas”.

Por seu lado, Maria da Conceição, vendedora de legumes, lamenta a falta de clientes e apela ao novo presidente da Câmara Municipal de Coimbra “para que faça alguma coisa” para inverter a situação.

Fátima Madeira, que vende produtos hortícolas, pede a José Manuel Silva para não abandonar o Mercado D. Pedro V e, ao NDC, disse que “o estacionamento é um caos”.

Já a peixeira, Fátima Andrade, espera que o novo presidente “visite o Mercado D. Pedro V ao longo do ano”.

Veja os diretos NDC:

Refira-se que a autarquia de Coimbra está a investir mais de 1,5 milhões de euros na modernização e dinamização do Mercado Municipal D. Pedro V. A consignação da obra foi feita em março do ano passado com o objetivo de “implementar novas dinâmicas de funcionamento no espaço, como a instalação de fornecedores de refeições e a criação de uma zona central comum com mesas, a praça de restauração”, refere o município. Nesta zona, está prevista a criação de 12 espaços de serviço de refeições, mas na área central do 1º piso também vão nascer outros espaços. Um que servirá de ponto de encontro (meeting point), outro vocacionado para pequenas feiras temáticas (Largo da Feira) e eventos de animação, e um outro dirigido aos produtores agrícolas, que prevê a criação de bancas amovíveis adaptáveis às diversas solicitações para vender no Mercado.

No andar superior da galeria do Mercado do Peixe está prevista a criação de um espaço de restauração individualizado, com entrada também a partir do estacionamento superior (o que lhe permitirá funcionar mesmo com o restante mercado fechado), apoiado com instalações sanitárias e uma cozinha de confeção, com entrada própria para cargas e descargas. A galeria superior será fechada com uma cortina predominantemente de vidro.

O Mercado vai ganhar, ainda, um “condomínio criativo” com três espaços amplos para lojas, ateliês e cowork; e um miradouro na antiga “casa dos frangos”, que vai constituir um espaço exterior aprazível, com esplanada, árvores e espaço relvado.

No que diz respeito às obras de manutenção, está prevista a revisão geral da cobertura e das caleiras, a substituição das chapas das zonas de iluminação por chapas de policarbonato com melhor eficiência energética, a reparação de pavimentos degradados, pinturas interiores e exteriores de paredes e tetos, a revisão e reparação de portas e pequenas reparações diversas. A intervenção inclui, ainda, a substituição de lâmpadas por outras com melhor eficiência energética e do sistema de aquecimento existente por um novo que garantirá melhor conforto térmico e eficiência energética.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link