Conecte-se connosco

Portugal

Vacina russa Sputnik V poderá ser produzida em Portugal

Publicado

em

A vacina russa contra a covid-19 Sputnik V poderá ser produzida em Portugal e exportada para os países africanos, se houver aval das autoridades europeias e portuguesas, num processo com a mediação da Câmara de Cascais.

“Sabendo das dificuldades que se começaram a perspetivar, colocámos a nossa rede de contactos a funcionar, em termos internacionais, para ver se podíamos encontrar uma outra solução”, adiantou, em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras.

Segundo o autarca, alguns países mostraram-se indisponíveis para fornecer Portugal por não terem possibilidade de ceder as patentes ou para produzirem e venderem a vacina.

Porém, o Governo de Moscovo disse estar disponível para avançar com a possibilidade de produção em Portugal.

“Sabemos que a própria vacina só poderá ser efetivada quando a autoridade europeia [Agência Europeia do Medicamento] a certificar”, ressalvou o autarca, esperando que esta agência seja “célere”, tendo em conta que a vacina está a ser utilizada “com sucesso” noutros países.

Carlos Carreiras sublinhou que o processo de fabrico da vacina inclui várias fases e nem todas podem ser desenvolvidas em Portugal.

Ainda assim, o país tem capacidades, por exemplo, para ficar a cargo do enchimento das vacinas, em linha com o que diz ser possível acontecer no resto da Europa, lamentando que os países estejam dependentes de farmacêuticas “que controlam todo o processo, com as falhas que temos vindo a assistir”.

Paralelamente, existe a possibilidade de Portugal fabricar a Sputnik V para países terceiros, nomeadamente, países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP).

“Não podem ser os ricos a ter acesso às vacinas e os com menos recursos a não ter acesso”, observou o autarca, vincando que os interesses económicos ou geopolíticos não podem sobrepor-se à saúde.

Questionado sobre as empresas identificadas com capacidade para produzir a vacina, Carlos Carreiras disse que o Governo selecionou 11 e a Câmara de Cascais outras, escusando-se a avançar nomes.

O presidente da Câmara de Cascais garantiu ainda que já forneceu todas as informações sobre o processo ao gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

“Do nosso lado o trabalho está concluído, continuando com disponibilidade para colaborar neste e noutros processos, como temos estado a colaborar”, concluiu.

Na quinta-feira, António Costa classificou esta possibilidade como “excelente”, ressalvando que o fármaco e o local de produção devem estar devidamente licenciados pela União Europeia.

“O presidente Carlos Carreiras informou-nos que tinha contactos com uma câmara com quem tem relações de proximidade num país exterior à União Europeia e que teria condições de poder obter o licenciamento para a produção dessa vacina em Portugal”, referiu António Costa, em conferência de imprensa sobre as medidas da terceira fase de desconfinamento.

Já no final de março, António Costa, após um encontro o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, tinha-se manifestado confiante na capacidade de mobilização da indústria europeia para aumentar a produção de vacinas contra a covid-19 e reafirmou a disponibilidade de Portugal no sentido de contribuir “ativamente” para esse esforço. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com