Conecte-se connosco

Coimbra

Universidade de Coimbra lidera projeto europeu que visa a biorrecuperação de metais de resíduos mineiros

Publicado

em

A Universidade de Coimbra (UC) lidera o projeto europeu “REVIVING – revisiting mine tailings to innovate metals biorecovery”, que visa recuperar resíduos gerados pelo setor mineiro, contribuindo desta forma para o Acordo Verde Europeu (European Green Deal).

No âmbito do arranque deste projeto, que obteve um financiamento de 1,2 milhões de euros da União Europeia (UE), vai decorrer, na próxima segunda-feira, dia 25 de janeiro, pelas 14 horas, um webinar subordinado ao tema “Raw Materials, a key factor on the support of European Green Deal”.

A iniciativa junta especialistas de várias áreas e pretende discutir como é que as novas tecnologias de base bio – “nature based” – podem ajudar a obter matérias-primas a partir de recursos secundários, contribuindo assim para os objetivos do Acordo Verde Europeu.

O REVIVING, que tem como parceiros investigadores e empresas ligadas ao setor mineiro de França, Roménia e Portugal, segundo Paula Morais, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e coordenadora do projeto, «vai estudar a utilização das comunidades microbianas dos próprios resíduos na lixiviação de metais valiosos, abordando o problema da devolução dos resíduos ao ciclo produtivo e, desta forma, apoiando a transição da UE para uma economia circular.   Se os resíduos forem processados e recuperados, estes podem ser considerados um recurso, em vez de “um bem a ser descartado”, voltando a ser um material inerte a devolver ao ambiente». 

Genericamente, vai ser explorado um novo conceito de biolixiviação. Este novo conceito, acrescenta a também investigadora do Centre for Mechanical Engineering, Materials and Processes (CEMMPRE) da UC, «consiste na manipulação do microbioma dos resíduos (conjunto de comunidades microbianas que residem nos resíduos) e hidrometalurgia com aplicação de pressão negativa». 

Para tal, os investigadores vão usar as novas técnicas moleculares “Next -Generation Sequencing”, e vão estudar a «libertação de metal após o bioprocessamento, usando a pressão negativa como estratégia inovadora de extração de metal e como forma de ultrapassar a heterogeneidade do material (ou materiais) de fase sólida», detalha Paula Morais.

No final do projeto, com a duração de três anos, vai ser implementado um sistema piloto na maior mina de tungsténio da Europa – a mina da Panasqueira – com o objetivo de transformar os resíduos mineiros, tóxicos, em matéria-prima, numa perspetiva de economia circular

A docente e investigadora sublinha ainda que, na Europa, «mais de 300 milhões de toneladas de resíduos de extração e mineração são produzidos anualmente. No mundo, a demanda por metais, tanto em quantidade como em diversidade, tem crescido devido à sua utilização na tecnologia em geral e particularmente nas tecnologias modernas, ecologicamente corretas, do tecido industrial europeu».

A inscrição no Webinar, cujo programa segue em anexo, pode ser efetuada em: https://forms.gle/DsK5ttyMFa2c6Ew87. 

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com