Conecte-se connosco

Coimbra

Trabalhadores do Café Samambaia em Coimbra fazem greve (com vídeos)

Publicado

em

Os funcionários do Café Samambaia, no Bairro Norton de Matos, em Coimbra, estão a cumprir uma greve de 24 horas pelo “pagamento legal do salário mensal”. Os trabalhadores, que estiveram hoje na Autoridade para as Condições de Trabalho, numa reunião pedida pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro (STIHTRSC), exigem o “respeito pelos direitos”.

São cinco os funcionários, entre os quais está um casal, com dois filhos menores que denunciam a falta de pagamentos dos ordenados. “É todos os meses o mesmo. Dizem-nos que não há dinheiro para pagar os ordenados. Todos temos contas por pagar e não se está a respeitar a folga, a meia folga, os horários de trabalho, as categorias”, afirmou ao Notícias de Coimbra Yrisaidy Montzant, funcionária da casa há vários anos e delegada sindical.

A situação, afirmam, dura há um ano, com os pagamentos mensais a chegarem em pequenas tranches de cada vez. “Já demos uma oportunidade à casa, mas a casa continua a vender, mas não sabemos o que fazem com o dinheiro”, revela a cozinheira, de 44 anos, que tem três filhos, de 8, 17 e 19 anos. 

Jorge e Maiderleen Martinez, de 44 e 31 anos, têm dois filhos pequenos e ambos dependem do ordenado do trabalho que prestam no Samambaia. “Temos as contas para pagar é muito complicado”, referiram ao NDC. 

“Isto é consecutivo. Começou em 2019, melhorou quando foi do primeiro confinamento, mas depois voltou”, conta Yrisaidy, prometendo que “a luta vai continuar com greves, manifestações e tudo o que estiver ao alcance para resolver a situação”. 

O funcionário mais antigo, Alexandre Figueiredo, tem quase 22 anos ao serviço do Samambaia. “Nunca vi isto assim, nem aqui nem em lado nenhum”, lamenta, falando de uma grande pressão no local de trabalho. Também Rui Martins, trabalhador desde 2010 no café se sente preocupado e desanimado com a situação.

“Desde há muito tempo que acompanhamos esta empresa. Sempre que houve diálogo conseguimos resolver os problemas dos trabalhadores, com a atual gerência existe uma falta de diálogo muito grande e a falta de cumprimento dos direitos dos trabalhadores”, disse ao NDC António Baião, do Sindicato de Hotelaria do Centro, falando de assédio moral e grande pressão sobre os trabalhadores. 

“É uma situação dramática”, sublinha o sindicalista apelando à gerência que “venha ao diálogo”.

O Notícias de Coimbra falou com o gerente e proprietário do estabelecimento, David Martinez, que considerou a greve “falta de bom senso”, dizendo que o café viver uma situação económica difícil devido à pandemia. “Está tudo em dia. Este mês ainda não paguei, mas estou a tentar resolver a situação”, garantiu, momentos antes de ser interrompido por uma chamada telefónica do seu advogado que o aconselhou a não prestar declarações. 

Durante esta sexta-feira o serviço de atendimento no Samambaia foi assegurado pelos gerentes. A ACT deslocou-se ao local na sequência da denúncia dos trabalhadores. 

 

Veja o direto NDC com Yrisaidy Montzant, funcionária em greve:

 

Veja o direto NDC com António Baião, do Sindicato Hotelaria Centro:

Veja o direto NDC com David Martinez, gerente do Café Samambaia:

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link