Conecte-se connosco

Saúde

Testes e casos positivos batem recordes mas internamentos reduziram

Publicado

em

Os números de testes e novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 bateram recordes em Portugal nas últimas duas semanas, mas o número de pessoas internadas está a cerca de um terço do que se verificava há um ano.

O recorde de novos casos diários de contágio pelo SARS-CoV-2 atingido a 31 de dezembro de 2021 foi precedido de um recorde absoluto de testes, mas em todo o caso, havia um terço dos internados do que nos mesmos dias em 2020.

No período entre 20 de dezembro de 2021 e 03 de janeiro de 2022, foram diagnosticados 178.569 novos casos de infeção. Olhando para trás um ano, surgiram 55.467 novos casos no mesmo período. O aumento é superior a 220 por cento.

No entanto, na comparação com o ano passado, verifica-se atualmente uma grande diminuição em relação ao número de internados: entre 20 de dezembro de 2020 e 03 de janeiro de 2021, a média de pessoas internadas foi de 2.925,2, com um mínimo de 2.754 registado em 25 de dezembro e um máximo de 3.158 a 21 de dezembro.

Em relação aos cuidados intensivos, a média de internamentos neste tipo de unidades na passagem de 2020 para 2021 foi de 497,5.

Olhando para o período entre hoje e 20 de dezembro passado, a média de internamentos foi de 959 e a média de pessoas em cuidados intensivos foi de 149.2.

Em percentagens, a média atual de internamentos desceu 67,2% e a média de internamentos em unidades de cuidados intensivos desceu 70% em relação ao mesmo período de há um ano.

Quanto às mortes atribuídas à covid-19, a descida ainda é mais acentuada: Entre 20 de dezembro de 2021 e 03 de janeiro deste ano, a média de mortes diárias foi de 14,8, menos 79,2% do que a média de 71,4 mortes diárias verificadas no mesmo período de há um ano.

Nesse período entre 2020 e 2021, o dia com mais mortes atribuídas à doença foi 23 de dezembro, com 89 óbitos, enquanto nos últimos quinze dias, o dia com mais mortes foi 01 de janeiro, com 21 óbitos.

Em Portugal, a vacinação contra a covid-19 foi iniciada em 27 de dezembro de 2020.

Com obrigatoriedade de testes para frequentar restaurantes, recintos desportivos, eventos culturais e uma campanha reiterada das autoridades de saúde recomendando testagem antes de encontros familiares, nos últimos dias e vésperas de festas de 2021, os números foram recordes sucessivos: 151.168 a 20 de dezembro, 359.830 a 23 de dezembro, 402.756 a 30 de dezembro.

Olhando para os mesmos dias de 2020, os números são muitíssimo inferiores: 18.383 a 20 de dezembro, 59.267 a 23 de dezembro, 44.536 a 30 de dezembro.

A covid-19 provocou 5.441.446 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.000 pessoas e foram contabilizados 1.434.570 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde de hoje.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link