Conecte-se connosco

Economia

Sindicatos da União Geral de Trabalhadores reúnem-se hoje com o Governo sobre despedimentos na banca

Publicado

em

Os sindicatos dos bancários da UGT – Mais Sindicato, SBN e SBC – reúnem-se hoje com o Governo para discutir os despedimentos coletivos em curso no Santander Totta e Millennium BCP, informou a central sindical.

A reunião está agendada para as 15:00, na sede do Ministério do Trabalho, em Lisboa, com a presença dos ministros da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e do secretário-geral da UGT, Carlos Silva, entre outros representantes sindicais, de acordo com um comunicado divulgado pela central na quinta-feira.

A reunião, segundo a UGT, surge no âmbito dos processos de despedimento coletivo nos bancos Santander Totta e Millennium BCP, com os quais “foram confrontados os sindicatos dos bancários da UGT, após longos processos negociais, na tentativa de consensualizar soluções que garantam aos trabalhadores as melhores condições para o seu futuro”.

O objetivo do encontro, precisou a UGT no comunicado, é o de o Governo adotar medidas de defesa dos trabalhadores e evitar que as empresas possam recorrer ao despedimento coletivo “para atingirem objetivos económicos dos acionistas, aproveitando o momento de pandemia, onde seria exigível uma responsabilidade social que proteja os mais frágeis e vulneráveis” na relação de trabalho.

O Santander não chegou a acordo para a saída de 350 trabalhadores, de um total de 685 inicialmente previstos, e vai agora avançar com um “processo unilateral e formal” a partir de setembro, segundo uma nota interna da Comissão Executiva do banco, enviada em 20 de agosto, a que a Lusa teve acesso.

Já o BCP vai avançar para rescisões unilaterais com menos de 100 trabalhadores, depois de ter chegado a acordo com 80% dos colaboradores abrangidos no processo de reestruturação, anunciou em 27 de agosto o presidente executivo, Miguel Maya.

Em 13 de julho, os sete sindicatos do setor bancário promoveram uma manifestação em frente à Assembleia da República, contra os despedimentos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link