Conecte-se connosco

Desporto

Sérgio Conceição ilibado no caso dos incidentes no clássico com o Sporting

Publicado

em

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, foi hoje ilibado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) no ‘caso’ dos incidentes no clássico com o Sporting, com os dirigentes Vítor Baía e Rui Cerqueira condenados.

Segundo a decisão, hoje proferida, Sérgio Conceição foi absolvido de todos as acusações, enquanto Vítor Baía, vice-presidente dos ‘dragões’, foi suspenso 25 dias, e Rui Cerqueira, diretor de imprensa, sancionado com 115 dias de afastamento.

Além das multas pessoais, também a SAD do FC Porto foi sancionada em coletivo, com uma coima de 16.320 euros.

O processo reporta a março, quando o Sporting apresentou uma participação disciplinar devido a factos ocorridos em 11 de fevereiro, num empate a duas bolas no Estádio do Dragão entre as duas equipas.

Apesar das suspensões, o Regulamento Disciplinar das Competições da Liga “permite que as sanções de suspensão por tempo sejam cumpridas ‘nas férias’”, por não emular o regulamento da FPF que previne essa possibilidade.

Assim, com a decisão tomada já depois do fim da época, as suspensões acabam por abranger o período de pausa desportiva, com a de Vítor Baía finda antes da retoma desportiva.

“Ao contrário da suspensão prevista no Regulamento da Federação, que impede os dirigentes de estarem presentes em recintos desportivos, a suspensão prevista no Regulamento da Liga apenas impede os dirigentes de estarem presentes na zona técnica”, pode ler-se na decisão hoje conhecida.

Da instauração do processo, pela Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, foi remetida acusação aos quatro arguidos (três pessoas e a SAD ‘azul e branca’) em 02 de maio.

Quanto ao antigo guarda-redes, a decisão fundamentada nota os vários insultos que este dirigiu ao presidente do Sporting, Frederico Varandas, tendo confessado “a conduta ofensiva da honra de outro agente desportivo”, o que atenuou a pena aplicada.

A SAD dos ‘dragões’ foi punida por publicações nas redes sociais, sendo absolvida de outras acusações, com o CD a fundamentar a decisão mais ‘pesada’ sobre Rui Cerqueira em vários pontos.

Foi dado como provado que o dirigente bateu numa mão do presidente ‘leonino’, fazendo cair o telemóvel que este segurava, com o CD a elencar vários elementos de prova, como o pedido, por parte de Varandas, de renovação do cartão de cidadão que “se encontrava guardado na capa do telemóvel”, entre outros.

Sérgio Conceição, por seu lado, foi absolvido, porque a prova produzida coloca-o próximo de Varandas, mas “não permite uma clara e inequívoca determinação do teor das palavras por si eventualmente proferidas”.

Em 11 de fevereiro, o encontro FC Porto-Sporting, da 22.ª jornada da I liga, que terminou empatado 2-2, ficou marcado por desacatos entre jogadores e elementos das duas equipas, com o árbitro a mostrar vários cartões vermelhos.

Após o apito final de João Pinheiro, os jogadores das duas equipas envolveram-se em empurrões, com o árbitro a expulsar quatro jogadores, dois de cada equipa: os ‘dragões’ Marchesín e Pepe e os ‘leões’ Tabata e Palhinha, além de alguns elementos das estruturas.

Um dia depois do jogo, o Sporting anunciou a intenção de apresentar uma queixa-crime contra Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, Vítor Baía, vice-presidente e administrador da SAD portista, e Rui Cerqueira, diretor de imprensa do clube, por “agressões verbais e tentativas de agressão física” ao presidente do clube, Frederico Varandas.

O FC Porto reagiu à intenção dos ‘leões’, negando as acusações feitas e desmentindo quaisquer agressões ao líder do clube de Alvalade.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade