Conecte-se connosco

Coimbra

Senhorio não recebe dinheiro da renda há 7 anos em Coimbra (com vídeo)

Publicado

em

O proprietário de uma habitação no Alto de São João, em Coimbra, está sem receber o dinheiro dos inquilinos há sete anos. A família, que já está sinalizada pela Segurança Social e pela autarquia, nunca pagou um mês completo de renda. A dívida ascende a 34 mil euros.

José Viriato arrendou a casa a uma família, com um filho menor, em 2015, por 250 euros por mês. Na altura, tinha a casa livre e uma pessoa sua conhecida da Cáritas Diocesana pediu-lhe que a arrendasse, recomendando o agregado familiar e dando conta que na instituição ajudaria no pagamento da renda. 

“Tiveram um mês de apoio pago pela Cáritas e nunca mais pagaram”, contou ao Notícias de Coimbra o proprietário. Os arrendatários “estavam sempre a prometer, a prometer que pagavam e a situação foi-se arrastando até aos dias de hoje”, lamenta. 

Entretanto José Viriato também tomou conhecimento que a família, carenciada e apoiada pela Segurança Social, estava sinalizada para receber uma habitação da autarquia. “Havia promessas da Câmara, depois veio a pandemia e a situação continuou, já passaram mais quatro ou cinco anos”, refere.

Na última reunião de Câmara, segunda-feira, o munícipe pediu a palavra para saber qual o ponto de situação do processo, já que se sente lesado e está  impossibilitado de arrendar a casa a outras pessoas. A vereadora da Ação Social, Ana Cortez Vaz, considerando que se trata de “um caso urgente” e dando conta que o Tribunal de Família e Menores também pediu a intervenção da autarquia, comprometeu-se a ter um T3 para alojar o agregado familiar até ao final de março. 

Ana Cortez Vaz apelou à “sensibilidade” de José Viriato, reconhecendo que em dívida está uma “quantia exorbitante”. 

“A casa está totalmente destruída. Vivem de rendimentos mínimos, são pessoas acumuladoras que juntam tudo o que encontram no lixo, fumam dentro de casa e apagam os cigarros  no chão da habitação”, descreve o proprietário, questionando: “quem irá pagar agora todos os prejuízos?”

O Notícias de Coimbra contactou entretanto a Câmara Municipal que confirmou que a família já tem casa e irá mudar-se no prazo de “três semanas”. José Viriato poderá entretanto voltar a arrendar a habitação, mas fica com uma dívida de 34 mil euros. “Vou tentar reaver este valor, se é que alguma vez o conseguirei”, remata. 

 

Veja o direto NDC com José Viriato:

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link