Conecte-se connosco

Política

Rui Rio promete não interferir nas diretas do PSD e deverá sair do parlamento quando deixar liderança

Publicado

em

O presidente do PSD assegurou hoje que não irá interferir nas próximas eleições internas do partido e declarou que “provavelmente não” continuará como deputado quando deixar o cargo de líder social-democrata.

Em declarações à imprensa, no final de uma reunião da Comissão Política Nacional do PSD, Rui Rio confirmou que deixará a presidência do partido antes do fim do mandato (que iria até dezembro de 2023) e remeteu para o Conselho Nacional a marcação do calendário eleitoral interno para o substituir, dizendo estar disponível para se manter no cargo, no máximo, “até ao início de julho”.

Questionado sobre os vários nomes de que se falam para a sua sucessão, disse que quase todos os militantes do PSD, desde que tenham um certo tempo de militância, se podem candidatar, deixando uma garantia.

“Eu não vou interferir em nada daquilo que vão ser as próximas eleições e os candidatos, limito-me a cumprir o meu mandato e com sentido de responsabilidade”, afirmou.

Já questionado se pretende manter-se no parlamento depois de deixar de ser presidente do PSD, respondeu: “Isso provavelmente não, mas refletirei na altura”.

Questionado se o partido ficará fragilizado no parlamento por ter um presidente a prazo, Rio respondeu negativamente.

“O partido tem um presidente eleito e enquanto aqui estiver vai assumir posições”, disse.

Quanto à análise feita pela Comissão Política dos resultados eleitorais de domingo, Rio defendeu que “o que foi decisivo foi o esvaziamento do BE e do PCP a favor do PS”.

“Há um crescimento muito forte do PSD ao centro, indo buscar muito eleitorado ao centro ao PS, mas depois uma quebra do PSD pela direita”, disse.

Por outro lado, apontou, “há um conjunto de promessas que o PS fez e que levaram as pessoas a irem atrás daquelas promessas”.

“E também atrás de algumas mentiras que, na campanha, foram contadas sobre o que eram as nossas propostas”, criticou.

De acordo com os resultados provisórios das legislativas (e que ainda não incluem os quatro deputados eleitos pela emigração), o PSD conseguiu 27,8% dos votos e 71 deputados sozinho, subindo para 76 deputados e cerca de 29% do total dos votos somando os valores obtidos nas coligações de que fez parte na Madeira e dos Açores.

Ainda assim, quando se somarem os deputados da emigração, o PSD deverá ficar abaixo dos 79 que tem atualmente e ficou a quase 14 pontos percentuais do PS, que teve a segunda maioria absoluta da sua história.

Na noite de domingo, Rui Rio já tinha aberto a porta à saída da liderança do PSD, cargo que ocupa desde janeiro de 2018, caso se viesse a confirmar a maioria absoluta do PS nestas eleições legislativas (o que aconteceu), considerando que dificilmente seria útil nessa conjuntura.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com