Conecte-se connosco

Região

Região de Coimbra quer reforçar capacitação dos municípios no combate à vespa velutina

Publicado

em

A Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra deu hoje maior robustez ao combate à vespa velutina, que encetou em novembro de 2021, ao formalizar um protocolo com as associações de apicultores deste território.

A assinatura do protocolo com cinco associações de apicultores da região de Coimbra decorreu durante a tarde de hoje, na Câmara Municipal da Lousã, no âmbito do projeto “Deteção e combate à espécie exótica invasora vespa velutina”.

Este projeto, com um investimento que ultrapassa o meio milhão de euros, é financiado pelo POSEUR, e tem como principais objetivos a criação de uma estratégia coordenada de combate à vespa velutina (também identificada por vespa asiática) em toda a região.

Visa também o reforço da capacitação dos municípios ao nível dos equipamentos de eliminação de ninhos, a instalação e monitorização de uma rede de armadilhas, a promoção e divulgação de boas práticas, bem como o aumento do conhecimento atualmente existente sobre esta espécie.

Com o protocolo de hoje – formalizado com a Pampimel – Cooperativa de Apicultores e Produtores de Medronho de Pampilhosa da Serra, Cooperativa Social e Agro-Florestal de Vila Nova do Ceira, Associação de Apicultores do Litoral Centro, Sicólmeia, e Lousamel –, “reforçam-se as medidas de salvaguarda da atividade apícola em toda a região”.

Pelos apicultores da região, com apiários com 10 a 30 colónias, serão distribuídas oito armadilhas (mais duas extra), sendo levado a cabo um plano de monitorização e registo de capturas.

Durante a sessão de assinatura do protocolo, o vice-presidente da CIM da Região de Coimbra, Raul Almeida, evidenciou a importância do passo que foi hoje dado no combate “a uma praga que causa um grande dano na produção de mel”, um produto “muito importante na região”.

“Este protocolo serve para trabalharmos em conjunto neste combate. As associações de apicultores são parte essencial na solução deste problema”, alegou.

Ao longo da sua intervenção, o também presidente da Câmara Municipal de Mira destacou a importância do projeto de deteção e combate à vespa velutina, que está em curso há um ano, e que tem na Universidade de Coimbra o parceiro científico e no POSEUR o parceiro financeiro.

Com este projeto foram instaladas cerca de cinco mil armadilhas, nos 19 municípios que integram a CIM da Região de Coimbra, para além de terem sido distribuídos cerca de 250 mil ‘flyers´ informativos, pelas caixas de correio dos habitantes desta região, e de terem decorrido várias ações de sensibilização.

“O projeto acaba em [maio] 2023, mas é importante que se arranjem fontes de financiamento, novos parceiros científicos, para continuarmos, em conjunto, a desenvolver estes projetos tão importantes para o território e para o desenvolvimento dos nossos produtos locais e alavancagem da nossa economia local, ligada à apicultura e ao mel”, concluiu.

Integram a CIM Região de Coimbra os municípios de Arganil, Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Góis, Lousã, Mira, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penacova, Penela, Soure, Tábua e Vila Nova de Poiares, do distrito de Coimbra, e Mealhada e Mortágua, dos distritos de Aveiro e de Viseu, respetivamente.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com