Conecte-se connosco

Lazer

Quer um hotel para a Páscoa na Região? Apresse-se porque estão quase esgotados (com vídeo)

Publicado

em

Os hotéis do Centro esperam que a Páscoa marque a tão esperada retoma. As unidades estão a registar aumentos significativos nas reservas e a aproximarem-se, em alguns casos, dos níveis registados em 2019, antes da pandemia. A Turismo Centro de Portugal e a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares (AHRESP) confirmam que as reservas estão atualmente acima dos 70% da capacidade. O Notícias de Coimbra tentou marcar hotel para o fim de semana da Páscoa e confirmou a elevada procura. 

Na hotelaria do distrito de Coimbra, as “perspectivas são boas em termos de reservas para o período da Páscoa”, mas “já o eram em 2020 e em 2021” e devido à pandemia não se concretizaram, refere ao Notícias de Coimbra o presidente da direção de Coimbra da Associação de Hotelaria, Restauração e Similares (AHRESP). A confirmar-se a ocupação respeitante a estas reservas, o ano de 2022 poderá estar ao nível de 2019, diz José Madeira, revelando que cerca de 70 por cento da capacidade nas unidades hoteleiras estão já sob reserva, sendo os pedidos feitos na mesma proporção por portugueses e estrangeiros.

“Portugal vai ser das escolhas óbvias de quem vai viajar em 2022”, afirma o presidente da Turismo Centro de Portugal, destacando que a Região está em vantagem em relação a outras não só por ser “a maior, mas por ter mais oferta e diversidade, assim como produto turístico concentrado”. Pedro Machado sublinha que há já “muitas unidades na ordem dos 100 por cento de reservas”.

Fatores como a Páscoa tardia e as expetáveis temperaturas mais amenas são decisivos para estes dados que se revelam animadores. Além disso, sustenta Pedro Machado, quem viaja preocupa-se essencialmente com a saúde e a segurança e, nestes aspetos, o Centro volta a estar em vantagem. 

O Notícias de Coimbra quis reservar um quarto para o fim de semana de Páscoa e confirmou que a procura é elevada. A plataforma online Booking anuncia, esta terça-feira, que “76% dos alojamentos estão indisponíveis” para as datas selecionadas – de 15 a 17 de abril. A título de exemplo, pesquisámos diversos hotéis de vários segmentos e de três locais emblemáticos da Região: a cidade de Coimbra, a Figueira da Foz e a Serra da Estrela. 

Em Coimbra, o Hotel Vila Galé já está desde, pelo menos o início de abril, com disponibilidade limitada para o período da Páscoa. Neste hotel de quatro estrelas já só restam dois quartos duplos, com cama de casal. Os preços para as duas noites rondam os 300 euros. Se quisermos ir da cidade à montanha, e se procurarmos a mesma cadeia e o mesmo segmento, constatamos que o Vila Galé Serra da Estrela, em Manteigas, já está lotado. Tentámos o Luna, a 10 minutos da estância de esqui, onde além dos chalets de montanha já só havia, na tarde desta terça-feira, um quarto duplo ( 306€ as duas noites). 

Ainda no sopé da Serra da Estrela, em Oliveira do Hospital, o resort cinco estrelas Aqua Vilage tem hoje apenas disponíveis três apartamentos para duas pessoas, nos mesmos dias (preços entre a rondar os 900 € para as duas noites).

De regresso à urbe, o Hotel D. Inês, em Coimbra, com três estrelas, dispõe de dois quartos duplos para as datas procuradas (200-250 euros as duas noites). 

No segmento mais económico, do qual tomámos como exemplo o Hotel Ibis, com duas estrelas, ainda há quase uma dezena de quartos duplos com cama de casal para reservar na Avenida Emídio Navarro, em Coimbra. A mesma marca de hotéis, ainda tem também quartos disponíveis na Figueira da Foz, se quisermos ir respirar maresia. Em frente à Praia da Claridade, o Eurostars Oásis Plaza, o hotel mais alto com vista para o mar na Figueira da Foz, ainda tem sete quartos duplos, além de suites (os preços variam entre os 250 e os 400 para as duas noites). 

“A região tem condições ideias para que não só o mercado interno continue a crescer e a consolidar, como o mercado interno, como Espanha, nos procure”, refere Pedro Machado para quem há “um clima favorável para que Portugal possa recuperar”. O responsável defende que o Centro, com as condições sanitárias, de segurança e o produto turístico de contacto com a natureza pode beneficiar e que a Páscoa 2022 será já “esse ponto de viragem”. Por isso, se planeia passar a Páscoa num dos alojamentos da Região, apresse-se porque as opções estão a esgotar. 

Veja o direto NDC com Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal:

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade