Polícias

PSP abre inquérito interno sobre protesto de polícias junto ao cineteatro Capitólio

Notícias de Coimbra com Lusa | 5 meses atrás em 20-02-2024

Imagem: ASPP / PSP

O diretor nacional da PSP determinou hoje a realização de um inquérito interno sobre as circunstâncias do protesto de agentes daquela polícia junto ao cineteatro Capitólio, em Lisboa, durante o debate eleitoral entre os lideres da AD e do PS.

PUBLICIDADE

“Tendo em conta o eventual envolvimento de polícias da PSP nesta ação não comunicada, o diretor nacional determinou a abertura de processo de inquérito à Inspeção da PSP, com o objetivo de apurar as circunstâncias em que decorreu o desfile e concentração junto ao Capitólio, confirmar a eventual participação de polícias da PSP no referido desfile e concentração, de forma a apurar eventual responsabilidade disciplinar, bem como a elaboração de auto de notícia a narrar estes factos, para ulterior remessa ao Ministério Público”, refere uma nota hoje divulgada pela direção nacional da PSP.

Centenas de polícias concentraram-se na segunda-feira à noite junto ao Capitólio, num protesto espontâneo que não estava autorizado para aquele local, mas sim para a Praça do Comércio, tendo a Direção Nacional anunciado de seguida que enviou uma participação ao Ministério Público (MP) para averiguação sobre aquela ação, durante o debate entre os dois candidatos a primeiro-ministro nas legislativas de 10 de março.

PUBLICIDADE

No mesmo documento, a Direção Nacional da PSP explica que para segunda-feira foi marcada e comunicada à Câmara Municipal de Lisboa uma manifestação na Praça do Comércio, em Lisboa, pela plataforma que representa os vários sindicatos da Polícia de Segurança Pública (PSP) e associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana (GNR), adiantando que a manifestação “decorreu sem qualquer incidente e dentro dos limites legais e com civismo”.

“Todavia, a determinada altura, fora do quadro legal que regula o direito à reunião e manifestação, uma parte dos manifestantes decidiu iniciar um desfile por várias artérias da cidade de Lisboa até à zona do Capitólio, onde se concentraram, desfile esse para o qual não existiu qualquer comunicação à Câmara Municipal de Lisboa (CML), obrigando ao corte inopinado de várias artérias da cidade”, refere a PSP.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

A Polícia de Segurança Pública salienta que “o local final de concentração (junto ao cineteatro Capitólio), também não foi comunicado à CML, conforme obriga o atual quadro legal”.

O porta-voz da plataforma que junta os sindicatos da PSP e associações do GNR já disse hoje que a concentração espontânea junto ao Capitólio não põe em causa a legitimidade dos protestos e elogiou o comportamento dos polícias.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE