Política

PS de Coimbra defende que criação de área metropolitana é decisiva para futuro do distrito (com vídeos)

Zilda Monteiro | 2 anos atrás em 20-11-2022

Criar uma área metropolitana associada a Coimbra é um dos grandes objetivos da Federação de Coimbra do Partido Socialista (PS), como sublinhou, este domingo, o presidente Nuno Moita, durante o congresso federativo de Coimbra, que decorreu no Hotel Vila Galé.

PUBLICIDADE

Reeleito recentemente, Nuno Moita explicou que o Metro Mondego vai ser uma realidade e, portanto, “a mobilidade é o centro da metropolização de Coimbra”. Assumiu que é “um defensor forte da criação de uma área metropolitana”, que permita equiparar a outras áreas metropolitanas e ter apoios específicos, nomeadamente para os transportes de passageiros. Prometeu lutar por esta “nova centralidade metropolizante de Coimbra”, que considera “absolutamente decisiva para o futuro do distrito”.

Assumiu, contudo, que a sua ambição é ainda maior, já que passa pela “defesa de um sistema metropolitano de transportes, que abarque todos os modos de transporte público, que permita às pessoas deslocarem-se com bilhete único”.

PUBLICIDADE

Mas esta “metropolização” procurará ir ainda mais longe, abrangendo, segundo defendeu, outras áreas determinantes, como a saúde, a cultura e a educação.

Nuno Moita sublinhou, também, que é preciso “descentralizar e regionalizar”, numa política de maior proximidade com os cidadãos e que dê “mais força” aos municípios.

PUBLICIDADE

Prometeu ser “uma voz ativa na defesa de investimentos que promovam as empresas e o emprego de qualidade”, de forma a ajudar uma região “confrontada com problemas de desertificação e envelhecimento, em particular nos territórios interiores”.

Assegurou, ainda, que não será esquecido o setor social, sendo necessário assegurar respostas que vão ao encontro das necessidades da população mais favorecida, em especial dos idosos.

Rejuvenescer o PS é outra das prioridades do presidente da Federação de Coimbra. Nuno Moita assumiu que “os números são preocupantes”, já que só 25% dos militantes têm menos de 40 anos. “A política não pode morrer. É urgente encontrar uma nova linguagem que cative os mais jovens”, sublinhou, defendendo que é com eles que devem ser encontradas “as melhores soluções para o futuro”.

Entende, ainda, que é preciso criar uma maior proximidade entre os militantes e os seus representantes, tendo criado, nesse sentido, a figura do Provedor do Militante, disponível para ouvir e dialogar com todos. Com esse objetivo pretende também realizar plenários distritais descentralizados, bem como concelhios, e promover espaços de debate a nível distrital. Criar o dia do novo militante e abrir o PS a todos os que queiram participar estão também na sua lista de prioridades.

Veja os vídeos dos diretos NDC:

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE