Conecte-se connosco

Coimbra

Projeto da Universidade de Coimbra quer combater insucesso escolar em Portugal, Brasil, Angola e Moçambique

Publicado

em

Um ‘software’ de combate ao insucesso escolar, o MAPIE, é apresentado na sexta-feira na Marinha Grande, no distrito de Leiria, assumindo a empresa promotora a ambição de chegar a 150 agrupamentos de escolas em Portugal e 200 no Brasil até 2022.

Mapa de Alerta Precoce do Insucesso Escolar (MAPIE) sucede a SAPIE – Sistema de Alerta Precoce do Insucesso Escolar, projeto da associação Tempos Brilhantes desenvolvido com investigadores da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e implementado em 2018.

Desde então, SAPIE funcionou em 102 agrupamentos de escolas de norte a sul do país, monitorizando cerca de 100 mil alunos de mais de 60 concelhos.

Os promotores calculam que tenha o serviço evitado até agora 500 retenções, o que significa a “poupança equivalente a 1,8 milhões de euros”, acrescentam em comunicado os responsáveis do agora MAPIE, assumido como o próximo passo no “combate ao insucesso escolar”.

“Mais do que as métricas”, sublinha Núria Costa, relações públicas da empresa, “o balanço é espetacular, porque no terreno percebeu-se que em muitos agrupamentos os dados recolhidos pelo sistema acabaram por facilitar muito a vida profissional de professores e diretores de agrupamentos”.

A solução informática foi agora reforçada para definir “perfis de risco ainda mais rigorosos”, acrescentando indicadores de saúde e dados sociodemográficos ao algoritmo que segue o modelo americano, combinando assiduidade, comportamento e aproveitamento.

A escolaridade materna ou o escalão de ação social são algumas das novas informações tidas em conta para, “de forma cada vez mais aperfeiçoada”, antecipar a incidência de insucesso.

“Ouvimos os vários agentes envolvidos e construímos gráficos mais adaptados às necessidades, permitindo o acesso a informação que de outra forma não estava disponível”, reforça Núria Costa, assinalando o “‘layout’ melhorado, o mapeamento do território, criação do MAPIE Autarquia e intervenções simplificadas” como outras novidades.

A partir do cruzamento de todas as informações, MAPIE funciona como “um radar que monitoriza os indicadores de risco e gera alertas precoces”, enviando-os a professores, responsáveis de agrupamentos escolares, famílias e autarquias.

Com esta evolução do ‘software’, vem também a aposta na internacionalização. MAPIE quer chegar a “novos mercados” e incorporar “conhecimento de fora para dentro”.

Até 2022, internamente o objetivo é crescer 50% e chegar a 150 agrupamentos de escolas. No estrangeiro, a ambição “é atingir os 200 agrupamentos de escolas no Brasil e entrar no mercado de Angola e Moçambique”, avança a responsável da empresa.

A apresentação de MAPIE está agendada para sexta-feira, às 10:30, na Escola Secundária Eng. Calazans Duarte, na Marinha Grande.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com