Assinaturas NDC

Apoie a nossa missão. Assine o Notícias de Coimbra

Mais tarde

Região

Primeiras árvores do projeto Floresta da Serra do Açor completam dois anos

Notícias de Coimbra | 1 ano atrás em 13-02-2023

As primeiras árvores do projeto de reflorestação Floresta da Serra do Açor chegaram às encostas da Serra do Açor, em Arganil, há precisamente dois anos. Desde essa altura, foram plantadas 600 mil espécies resistentes ao fogo e foram alvo de diferentes intervenções 750 hectares de terrenos comunitários ardidos no incêndio de outubro de 2017. Este projeto a 40 anos prevê a plantação de mais de 1 milhão e 800 mil árvores em 2.500 hectares de área comunitária, sendo que os trabalhos de arborização propriamente ditos decorrem até 2026.

PUBLICIDADE

O presidente da Câmara Municipal de Arganil, Luís Paulo Costa, assinalou a data com uma visita aos locais de intervenção, nos terrenos baldios de Cepos e Casal Novo, na União das Freguesias de Cepos e Teixeira, e de Celavisa, onde decorrem as ações de povoamento mistos de pinheiro-bravo e sobreiro e de pinheiro-bravo e carvalho-alvarinho. Estes trabalhos de plantação foram precedidos de controlo de vegetação espontânea, aproveitamento e beneficiação da regeneração natural de medronheiro, desramação e regeneração natural de pinheiro-bravo, bem como de beneficiação das linhas de água e controlo das espécies invasoras lenhosas (acácias).

Para o autarca de Arganil, é “um verdadeiro privilégio” assistir ao crescimento de um projeto com a expressão e o propósito do Floresta Serra do Açor. “É o maior e mais emblemático plano de intervenção florestal a acontecer no país, que surge com a missão de evitar que o devastador incêndio de outubro de 2017 se repita”. Luís Paulo Costa está convicto de que se trata de “um sério e inspirador investimento a longo prazo no futuro das gerações que se seguirão”.

Este projeto transformador da paisagem florestal está a ser concretizado graças ao financiamento de 5 milhões de euros do Grupo Jerónimo Martins, no âmbito do mecenato ambiental, à orientação e acompanhamento técnico da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) e ao envolvimento das Assembleias de Compartes, proprietários de terrenos baldios do concelho de Arganil.

É um projeto de combate à desflorestação pensado e desenhado a muito longo prazo, num horizonte temporal que se estendo por quatro décadas. Consubstancia um modelo de reintrodução de espécies autóctones, como o carvalho, o sobreiro, o castanheiro e o medronheiro; árvores mais resilientes ao fogo e com grande capacidade de autorregeneração. Trata-se de um projeto que representa uma franca mais-valia para o desenvolvimento do território, para a proteção dos solos e dos recursos hídricos, bem como para a promoção da biodiversidade.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com