Conecte-se connosco

Política

Presidente da República diz que Europa está “no bom caminho” para poder utilizar fundos do Plano de Recuperação

Publicado

em

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que a Europa está no “bom caminho” para, da parte dos 27 estados-membros, existir “luz verde” para a utilização dos fundos no âmbito dos Planos de Recuperação e Resiliência (PRR).

“Vamos no bom caminho a nível europeu para termos da parte dos 27 estados luz verde para a utilização dos fundos para os PRR”, afirmou o Presidente da República, à margem de uma visita à Escola Secundária Carolina Michaëlis, no Porto, a propósito do Dia Mundial da Língua Portuguesa.

Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa destacou a entrega do PRR português, afirmando que “os primeiros a apresentar, são os primeiros a ter luz verde em relação aos planos”.

“Espero que isso signifique, portanto, a vinda de fundos entre o verão e o começo do outono”, salientou, acrescentando que esperar que a gestão dos mesmos seja “criteriosa, transparente e eficaz”.

“Não é indiferente, executarmos todos os fundos porque o prazo é curto, ou executarmos 60% ou 70%, porque o que for perdido é perdido”, sublinhou.

O chefe de Estado referiu ainda que a execução do PRR “não pode deixar de ser descentralizada” em vários aspetos, bem como ter em conta o “conhecimento que as estruturas mais próximas têm da realidade a nível regional e a nível local”.

Portugal submeteu, em meados de abril, o seu Plano de Recuperação e Resiliência à Comissão Europeia, tornando-se no primeiro Estado-membro da União Europeia a entregar a versão final, num total de 16,6 mil milhões de euros, dos quais 13,9 mil milhões de euros dizem respeito a subvenções a fundo perdido.

Em causa está o Mecanismo de Recuperação e Resiliência, avaliado em 672,5 mil milhões de euros (a preços de 2018) e elemento central do “Next Generation EU”, o fundo de 750 mil milhões de euros aprovado pelos líderes europeus em julho de 2020, principais instrumentos para a recuperação económica da UE da crise provocada pela pandemia de covid-19.

Para aceder ao mecanismo, os países da UE têm de submeter a Bruxelas os seus PRR que definam os seus programas de reforma e de investimento até 2026, sendo que o prazo indicativo para tal terminou na passada sexta-feira.

A Comissão dispõe depois de dois meses para avaliar os planos e o Conselho de um mês, mas a presidência portuguesa da UE já veio dizer que está a trabalhar para conseguir acelerar a aprovação e, assim, os primeiros planos terem ‘luz verde’ já no Conselho Ecofin (que junta os ministros das Finanças) de 18 de junho.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com