Conecte-se connosco

Coimbra

Presidente da Câmara de Coimbra esteve na cadeia onde há surto de Covid

Publicado

em

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra visitou na semana passada a Penitenciária onde esta segunda-feira foi detetado um surto de Covid-19, com 24 reclusos infetados. Fonte do município disse hoje ao NDC que o autarca “não foi contactado pela autoridade de saúde” e que o contacto foi “de baixo risco”.

José Manuel Silva participou na cerimónia de comemoração do 120.º aniversário da entrada dos primeiros dez reclusos no Estabelecimento Prisional de Coimbra (EPC), na passada quinta-feira, dia 25 de novembro, e tirou uma fotografia com os residentes que trabalharam nas obras de beneficiação do edifício. Na imagem, que partilhou nas redes sociais, o presidente surge num grupo de 40 pessoas, a maioria sem máscara, assim como ele, e sem cumprir o distanciamento social.

Depois de a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) ter hoje revelado que esta segunda-feira foi detetado um surto de Covid-19 na cadeia de Coimbra, o NDC contactou o município no sentido de apurar se iriam ser efetuadas algumas diligências, face à visita realizada pelo autarca. “Não. O Presidente não foi sequer contactado pela autoridade de saúde, na medida em que foi um contacto de baixo risco, porque esteve com máscara, de curta duração e respeito pela distância, exceto no curtíssimo período da fotografia coletiva”, indicou fonte da Câmara Municipal.

No EPC há 24 casos de reclusos positivos, que estão “isolados em espaços celulares” previstos no plano de contingência, “estando sob acompanhamento clínico permanente”, explica a DGRSP em comunicado. Os casos foram detetados depois de dois reclusos terem apresentado, ainda na segunda-feira, sintomas compatíveis com a Covid 19, que levaram à testagem de todos.

A cadeia de Coimbra suspendeu temporariamente as atividades de formação escolar e profissional e de trabalho, bem como as visitas, com exceção das dos advogados. “Os reclusos, a quem são diariamente entregues máscaras, mantêm, naturalmente, o direito legalmente consagrado a recreio a céu aberto e a telefonar. Aos reclusos positivos, genericamente assintomáticos ou com sintomas leves, é assegurada vigilância clínica 24 horas por dia”, acrescenta a DGRSP.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link