Conecte-se connosco

Economia

Porto de Sines estuda terminal para movimentação de gases renováveis

Publicado

em

O Porto de Sines, no distrito de Setúbal, está a estudar a possibilidade de transformar uma “ponte-cais” multiúsos num terminal para movimentação de gases renováveis, prevendo um investimento de cerca de 20 milhões de euros.

“Vamos fazer alguns investimentos para melhorar as condições de um pequeno cais e prepará-lo para, no futuro, fazer a movimentação de gases renováveis e, eventualmente, bancas para abastecimento a navios”, avançou hoje à agência Lusa, o presidente da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS), José Luís Cacho.

De acordo com o responsável, os investimentos “na melhoria das condições da ponte-cais”, para receber gases renováveis, como Gás Natural Liquefeito (LNG) ou hidrogénio e amónia verdes fazem parte do Plano de Atividades daquela infraestrutura portuária, no âmbito da transição energética.

“Prevemos fazer esses investimentos durante o próximo ano”, indicou José Luís Cacho, acrescentando que, neste momento, estão a ser desenvolvidos os respetivos “projetos e estudos”.

Trata-se de “investimentos que devem andar na ordem dos 15 a 20 milhões de euros”, revelou.

“Estes investimentos deverão ser executados durante o próximo ano para estarem disponíveis e em operação a partir de 2024”, perspetivou.

Considerando que a União Europeia classificou o LNG como um gás renovável e que existe “um conjunto de orientações” que indicam que este é “o gás de transição dos próximos anos”, José Luís Cacho reconheceu que será o primeiro a “entrar em operação” naquele terminal.

“Atualmente, como não há possibilidade de entrada de gases como o hidrogénio, tecnologia suficiente para isso, nem há hidrogénio para tal, naturalmente, começará a movimentar gás natural”, frisou.

No futuro, acrescentou, “estará preparado para receber navios com outros gases renováveis como é o caso do hidrogénio, amónia e metanol”.

O responsável adiantou que a APS está “ainda a equacionar” o modelo de gestão do terminal de gases renováveis, garantindo que “será operado, naturalmente, por empresas privadas” interessadas.

“Podem ser [empresas] japonesas, pode ser a REN, a Galp, todas as empresas que estão em Sines podem utilizar essa infraestrutura”, exemplificou.

Em conjunto com a Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS), o Porto de Sines participou, na semana passada, entre os dias 02 e 04, na cimeira da energia em Tóquio, no Japão.

O evento, segundo José Luís Cacho, “aprofundou os temas relacionados com a importância da transição energética” e a aposta “nos gases renováveis e mais limpos, como o hidrogénio e a amónia”.

Durante a cimeira, o Porto de Sines efetuou contactos com as empresas responsáveis pelo projeto-piloto que está a ser desenvolvido entre o Japão e a Austrália “para transporte de hidrogénio liquefeito”, acrescentou.

O presidente da administração portuária reforçou que, nos últimos anos, tem estabelecido “contactos com entidades e estruturas empresariais japonesas no sentido de [perceber] o interesse em desenvolverem investimentos em Sines”.

“É um país que tem feito uma aposta forte nas energias e nós vemos com muito interesse o desenvolvimento de investimentos japoneses em Sines”, concluiu.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade