Polícias

PJ ultrapassou barreira dos 2.000 investigadores e baixou média de idades para 40 anos

Notícias de Coimbra com Lusa | 2 meses atrás em 15-02-2024

O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ) destacou hoje que esta polícia ultrapassou a barreira dos 2.000 investigadores e baixou a média de idade dos investigadores para próximo dos 40 anos, assistindo-se a uma “renovação geracional”.

PUBLICIDADE

Luís Neves falava na cerimónia do 45.º Curso de Formação de Inspetores da Polícia Judiciária (PJ) que decorreu na sede da PJ, em Lisboa, com a entrega de diplomas e crachás aos 84 inspetores que concluíram o curso com aproveitamento.

“Em junho de 2018, quando iniciei funções como diretor nacional, a investigação criminal contava, no seu quadro, com 968 investigadores a nível nacional com uma média de idades quase a tocar os 50 anos. Hoje já passámos largamente a barreira dos 2.000 (2.045) investigadores contando já com os 636 investigadores, provenientes do ex-SEF [Serviço de Estrangeiros e Fronteiras], que estamos faseadamente a integrar no nosso quadro entre 2023 e 2026”, referiu.

PUBLICIDADE

publicidade

Paralelamente, adiantou Luís Neves, o planeamento tem vindo a permitir que a PJ entre 2022 e 2026 recrute 750 trabalhadores para a carreira da investigação criminal e de 250 trabalhadores para a carreira de especialista da polícia científica, especializados nas áreas informática e digital, contabilística e financeira, áreas forenses que integram o Laboratório de Polícia Científica e informacional.

Quanto ao reforço dos 84 inspetores que hoje prestaram juramento, o diretor nacional da PJ frisou que se apostou “no recrutamento pela diversidade, nomeadamente académico”, mencionando que os novos inspetores “são oriundos de 23 licenciaturas diferentes, sendo somente um terço licenciado em Direito”.

PUBLICIDADE

Sublinhou ainda que 27% dos 87 novos inspetores contam já com uma experiência relevante em outro órgão de polícia criminal o que, acentuou, “permite um olhar mais nítido sobre o que é a natureza na missão da PJ e dos outros `players´ no sistema de segurança interna e a necessidade fulcral de colaboração” no combate e investigação.

Em causa estão crimes como corrupção, crimes contra as pessoas, tráfico (de estupefacientes, de armas, pessoas e veículos), terrorismo, imigração ilegal, cibercrime, raptos, sequestros, criminalidade violenta e crimes contra a segurança do Estado e contra a propriedade, entre outros.

“O combate à corrupção e à criminalidade económico-financeira constitui a máxima prioridade e preocupação e consequentemente alvo do maior investimento que a PJ jamais fez nesta área tanto em recrutamento de recursos humanos especializados como em equipamentos e formação. Sem conhecimentos em contratação pública, direito bancário, direito do urbanismo, direito fiscal, direito económico europeu, fundos europeus, ‘off shores’ é impossível conduzir uma investigação a bom porto”, indicou Luís Neves, abordando ainda as especificidades dos restantes crimes que merecem a maior atenção policial.

A finalizar, o diretor nacional da PJ lembrou aos novos inspetores os principais pilares da instituição, incluindo o conhecimento, a coragem e a integridade, apelando ainda à atuação em conformidade com o direito e no respeito dos direitos fundamentais, mormente das pessoas suspeitas, detidos ou vítimas.

Os 84 novos inspetores tem idades entre os 23 e os 39 anos e irão agora ser colocados nas várias unidades da PJ, reforçando a capacitação desta polícia na investigação criminal. A maioria dos novos elementos são licenciados em Direito, Criminologia, Ciências Forenses e Criminais e Ciências Militares na Especialidade de Segurança.

Em termos geográficos, 45 são da zona de Lisboa, nove são do Porto e oito são de Braga. Os restantes vêm dos Açores, Aveiro, Bragança, Castelo Branco, Guarda, Leiria, Madeira, Santarém, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

O curso iniciou-se a 22 de maio de 2023 no Instituto de Polícia Judiciária e Ciências Criminais e concluiu-se a 31 de janeiro de 2024.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE