Conecte-se connosco

Coimbra

Pedro Neves Marques vai representar Portugal na Bienal de Arte de Veneza em 2022

Publicado

em

O artista português Pedro Neves Marques vai representar Portugal na 59.ª Bienal de Arte de Veneza, a decorrer de 23 de abril e 27 novembro de 2022, anunciou hoje a Direção-Geral das Artes (DGArtes).

A representação concretizar-se-á através do projeto “Vampires in Space”, de Pedro Neves Marques, apresentado pela dupla de curadores João Mourão e Luís Silva.

“Vampires in Space”, selecionado no âmbito do concurso promovido pela DGArtes, tem “a forma de uma instalação narrativa que transformará o Palazzo Franchetti através de filmes, elementos instalativos, poemas e cenografia numa inesperada nave espacial habitada por vampiros”, descreve o comunicado da DGArtes hoje divulgado.

“A proposta recorre à figura e expectativas sobre o que é um ‘vampiro’, para abordar questões de identidade de género, sexualidade e reprodução ‘queer’, bem como formas de família não-nuclear. A instalação contrastará com o estilo Gótico Veneziano do Palazzo Franchetti com uma sensibilidade de ficção científica, fantástica e especulativa própria ao trabalho de Neves Marques”, conclui a descrição do projeto.

O Palácio Franchetti, nas margens do Grande Canal de Veneza, que acolherá a representação oficial portuguesa comissariada pela DGArtes, constitui o novo espaço expositivo português na bienal, para o qual foi celebrado um protocolo de utilização para os próximos três anos.

Pedro Neves Marques, que vive e trabalha em Nova Iorque, é artista visual, realizador e escritor.

É um dos participantes da Bienal Internacional de Arte de Gotemburgo, que encerra no próximo domingo, e é um dos finalistas da 6.ª edição do prémio Future Generation Art, a anunciar em dezembro, no âmbito da exposição patente em Kiev, na Ucrânia, que encerrará em 27 de fevereiro de 2022.

Na realização, Neves Marques conquistou, no ano passado, o prémio Coelho de Ouro para melhor curta-metragem “A Mordida” no festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade, em São Paulo, no Brasil, também nomeada para os prémios da Academia Europeia do Cinema 2020, depois da distinção no festival de ‘curtas’ Go Short, dos Países Baixos.

A curta-metragem estreou-se no Festival de Cinema de Toronto de 2019 e passou pelos festivais de Nova Iorque, Glasgow, Winterthur e Moscovo, entre outros, num total de 40 seleções para festivais e mostras de cinema nacionais e internacionais.

Pedro Neves Marques é autor do ensaio “Contaminação por capital: Violência contra a terra, violência contra os nossos corpos”, publicado para a Revista Punkto.

Foi também um dos 69 artistas convidados da Bienal de Arte Contemporânea de Gwangju, que decorreu entre 26 de fevereiro e 09 de maio deste ano, naquela cidade da Coreia do Sul.

A 59.ª Bienal de Arte de Veneza vai decorrer sob o tema “The Milk of Dreams”, com curadoria da italiana Cecilia Alemani.

A designação da próxima edição da mostra inspira-se num livro de Leonora Carrington, no qual, como diz Cecilia Alemani, “a artista surrealista descreve um mundo mágico onde a vida é constantemente repensada através do prisma da imaginação, e onde todos podem mudar, ser transformados, tornar-se algo e outra pessoa”.

O concurso limitado para a escolha do projeto curatorial e expositivo da representação de Portugal, na 59.ª Bienal de Arte de Veneza, foi aberto pela DGArtes, no passado mês de agosto.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link