Conecte-se connosco

Política

Paulo Rangel critica “atraso” na adoção de medidas que devem ser “suaves e moderadas”

Publicado

em

 O eurodeputado Paulo Rangel defendeu hoje que as medidas a adotar pelo Governo para a prevenção da pandemia devem ser “moderadas e suaves” e lamentou que não tenham sido já anunciadas, prevenindo assim maiores restrições.

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião de mais de hora e meia com a CIP (Confederação Empresarial de Portugal), Paulo Rangel foi questionado sobre as medidas a adotar pelo executivo para prevenir o aumento dos contágios com o novo coronavírus, num dia em que o primeiro-ministro está reunido com os partidos com representação parlamentar em São Bento.

“A primeira coisa que critico é a circunstância de a reunião do Infarmed ter sido na sexta-feira, e nós estamos já quase a meio da semana e ainda não haver o quadro de medidas. Por uma questão de prevenção, e justamente para evitar o tal agravamento, devíamos ter as medidas, ainda que suaves, moderadas”, defendeu.

Paulo Rangel considerou ainda que existe uma “falta de comunicação” com a população.

“Não estamos a investir na pedagogia porque muita gente está certamente disposta a adotar certos comportamentos espontaneamente e tomar cuidados e prevenir, e prevenir-se, se estiver desperta para isso, se houver um alerta do Governo e das entidades responsáveis, em particular da DGS, para esse efeito”, sustentou.

Ainda que não tenha todas as informações, Paulo Rangel defendeu “um quadro de medidas moderadas de prevenção”.

“Mas tenho pena de que já tenhamos demorado quatro ou cinco dias a adotá-las porque podíamos perfeitamente já ter feito estas reuniões no sábado e ter já estas medidas a funcionar desde ontem. Lamento este atraso porque cada dia que passa estamos a perder na corrida e a pôr a hipótese de adotar medidas mais restritivas”, rematou.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link