Mundo

Papa pede espiritualidade na recolha de fundos para missões

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 03-06-2023

O papa Francisco pediu hoje, dia 3 de junho, que a recolha de fundos para as missões da Igreja Católica seja guiada pela espiritualidade, de forma a prevenir a corrupção, noticiou a agência de notícias Associated Press (AP).

PUBLICIDADE

O líder da Igreja Católica lançou o apelo num discurso para os diretores nacionais das Obras Missionárias Pontifícias do Vaticano, que recolhem fundos para as missões realizadas em países em desenvolvimento, apoiando concretamente a construção de igrejas e a formação de padres e freiras.

Francisco realçou que a recolha de fundos não pode ser considerada um negócio, devendo ser guiada pelo objetivo de espalhar os Evangelhos.

PUBLICIDADE

“Por favor, não reduzam a dinheiro as Obras Missionárias Pontifícias”, instou Francisco, frisando que estas são “um meio” que é “maior do que dinheiro”.

O papa avisou ainda que, “se faltar espiritualidade e [a recolha de donativos] for apenas um negócio, a corrupção aparecerá de imediato”, recordando que têm sido noticiadas “muitas histórias de alegada corrupção em nome da natureza missionária da Igreja”.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Segundo a AP, o papa desviou-se do discurso previamente preparado e pareceu fazer referência a uma investigação recente da agência sobre transferências financeiras da filial americana das Obras Missionárias Pontifícias.

Essa investigação revelou que o anterior responsável terá passado 17 milhões de dólares (15,8 milhões de euros) em donativos e doações para um fundo de capital privado, ligado a investimentos agrícolas em África.

O Vaticano garante que está a procurar clarificar o caso da sucursal nos Estados Unidos, que, segundo a AP, parecem ter respaldo legal.

A nova liderança das Obras americanas procedeu à análise legal das transferências e concluiu que estas foram aprovadas de forma coerente com os poderes da administração anterior.

De qualquer forma, substituiu os diretores e funcionários das Obras que aprovaram as transferências, para assegurar que o caso não se volta a repetir.

Em resposta à Investigação da AP, o reverendo Andrew Small, anterior diretor das Obras nos Estados Unidos – e que é agora o ‘número dois’ do conselho consultivo para proteção das crianças criado para dar resposta aos abusos sexuais na Igreja –, defendeu as transferências como consistentes com a missão da organização e da Igreja.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE