Conecte-se connosco

Mundo

Papa diz que partilhar e ajudar “não é comunismo, mas sim cristianismo puro”

Publicado

em

O papa Francisco pediu hoje aos fiéis para não viverem “uma meia-crença” e para ajudarem os outros, porque ajudar e partilhar “não é comunismo, é cristianismo na sua forma mais pura”.

Durante a Missa do Domingo da Misericórdia, o pontífice falou da aparição de Jesus da Nazaré ressuscitado aos seus discípulos, desanimados pela morte do mestre e atemorizados pela perseguição, uma presença que mudou as suas vidas e os fez partilhar tudo.

“Só acolhendo o amor de Deus podemos dar algo de novo ao mundo. Vemos isso na primeira leitura. Os Atos dos Apóstolos dizem-nos que ‘ninguém considerava os seus bens como sendo seus, todas as coisas eram mantidas em comum’. Não é comunismo, é cristianismo na sua forma mais pura”, sublinhou o papa.

E acrescentou: “É ainda mais surpreendente se pensarmos que esses mesmos discípulos pouco tempo antes tinham discutido sobre recompensas e honras, sobre quem era o maior entre eles”.

Francisco explicou que os discípulos abraçaram a misericórdia e entregaram-se a outros que sentiram o mesmo sobre o seu mestre, que perdoou as suas dúvidas.

“Eles viram nos outros a mesma misericórdia que tinha transformado as suas vidas. Descobriram que tinham em comum a missão, o perdão e o Corpo de Jesus; partilhar os bens terrenos era uma consequência natural”, disse.

Na sua homília, baseada na exigência de misericórdia para com os cristãos, o papa convidou os fiéis a refletirem sobre se se “curvam perante as feridas dos outros”, os problemas dos outros.

“Não fiquemos indiferentes. Não vivamos uma fé sem convicção, que recebe mas não dá, que acolhe o presente mas não se torna um presente (…). Porque se o amor acaba em nós mesmos, a fé seca num intimismo estéril. Sem outros, torna-se desencarnado. Sem obras de misericórdia, morre”, insistiu.

A missa, celebrada na Igreja do Espírito Santo em Sassia, a poucos metros da Praça de São Pedro, contou com a presença de cerca de 80 pessoas ligadas a obras de misericórdia, com distância de segurança e usando máscaras, para evitar contágios pelo novo coronavírus.

Entre os presentes encontravam-se uma família de migrantes da Argentina, jovens refugiados sírios, nigerianos e egípcios, voluntários da Cáritas, um grupo de detidos, algumas enfermeiras, deficientes e freiras das Irmãs Hospitaleiras da Misericórdia, entre outros.

Francisco oficializou assim a homília do Domingo da Misericórdia, uma semana após a Páscoa, instituída por João Paulo II em 1992, na sequência das visões da freira e santa polaca irmã Faustina Kowalska, que assegurou que Jesus Cristo lhe tinha pedido que o fizesse.

No ano passado, a missa esteve sem fiéis neste mesmo templo, porque Itália atravessava o pior momento da pandemia.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com