Conecte-se connosco

Mundo

Organizações cobram investigação de denuncias de crimes no Brasil na pandemia

Publicado

em

Organizações da sociedade civil brasileira entregam hoje uma petição com 34 mil assinaturas para exigir que o Procurador-Geral da República do Brasil não deixe impunes os possíveis crimes apontados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19.

Uma mobilização de 20 organizações da sociedade civil junta hoje em Brasília, segundo um comunicado divulgado pela Amnistia Internacional.

A ação faz parte da campanha ‘Omissão Não é Política Pública’ que conta com uma petição com mais de 34 mil assinaturas exigindo que o Procurador-geral do Brasil, Augusto Aras, não deixe impunes os possíveis crimes apontados pela CPI do Senado brasileiro que investigou ações e omissões do Governo na pandemia e pediu indiciamento de mais de 80 pessoas, incluindo o Presidente do país, Jair Bolsonaro.

A entrega da petição será realizada no edifício do Ministério Público Federal, em Brasília. O documento exige que as pessoas indicadas no relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito sejam processadas judicialmente e devidamente responsabilizadas.

“É muito grave a situação do Brasil. São mais de 600 mil pessoas mortas pela Covid-19 e um número ainda desconhecido de pessoas que vivem com as sequelas da doença. Estão, em grande parte, desassistidas, já que as autoridades não assumem as responsabilidades de conduzir o país para uma recuperação necessária e justa”, afirmou Jurema Werneck, diretora-executiva da Amnistia Internacional Brasil em um comunicado.

“Os gestores públicos não cumprem o dever de garantir os direitos de todas e todos. É a sociedade civil organizada que segue dando respostas contundentes para o enfrentamento da crise sanitária e suas consequências. Os responsáveis pela má gestão da pandemia devem ser processados judicialmente e devidamente responsabilizados”, acrescentou.

Lançada em junho de 2021, a campanha Omissão Não É Política Pública reúne Amnistia Internacional Brasil, Oxfam Brasil, INESC – Instituto de Estudos Socioeconómicos, IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Criola, Abrasco – Associação Brasileira de Saúde Coletiva, CIMI – Conselho Indigenista Missionário, Terra de Direitos, COIAB – Coordenação das Organizações Indígenas da Amazónia Brasileira.

Também fazem parte da ação o Movimento Nacional de Direitos Humanos, Observatório das Metrópoles, OLODUM, RESAMA – Rede Sul-Americana para as Migrações Ambientais, Justiça Global, Cedeca, Engajamundo, IMUNE-MT – Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso, ABMMD – Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia, Grupo de Apoio Voluntário, e Avico Brasil – Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19.

O texto do relatório final da CPI da Covid pediu 80 indiciamentos. Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o atual, Marcelo Queiroga, são três dos indiciados.

O relatório foi entregue por senadores a Augusto Aras no dia 27 de outubro. O procurador-geral iniciou uma investigação preliminar contra 13 autoridades com foro por prerrogativa de função, incluindo o Presidente da República.

“A gestão da pandemia de covid-19 no Brasil tem sido marcada por omissões do Estado brasileiro. Episódios de colapso do sistema de saúde, obstáculos para a vacinação em massa e denúncias de superfaturamento na compra de imunizantes são de conhecimento público e foram objeto de investigação no Senado Federal. Estamos lutando pela memória das mais de 600 mil vidas perdidas para a Covid-19 e para que haja justiça e reparação para seus familiares e para o país”, concluiu Werneck.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 609.756 vítimas mortais e mais de 21,8 es de casos confirmados de covid-19.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link