Conecte-se connosco

Mundo

ONU apela ao combate das redes de tráfico no Mediterrâneo

Publicado

em

A ONU apelou hoje ao combate das redes de tráfico que “exploram o desespero e a miséria” nas rotas migratórias, nomeadamente no Mediterrâneo, lembrando dois recentes naufrágios no mar Egeu marcados pela morte de pelo menos 31 migrantes.

“É triste que devido ao seu desespero e à ausência de rotas seguras, migrantes e refugiados sejam forçados a colocar as suas vidas nas mãos de traficantes sem escrúpulos”, afirmou a representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na Grécia, Maria Clara Martín, num comunicado.

Na mesma nota, a agência da ONU, com sede em Genebra, lamentou os dois naufrágios ocorridos no mar Egeu, na rota do Mediterrâneo Oriental (da Turquia para a Grécia), nos dias 21 e 24 de dezembro, que ficaram marcados pelo resgate de 160 pessoas pela guarda costeira grega, mas também pela morte de 31 migrantes e por um número indeterminado de desaparecidos.

O ACNUR recordou ainda que nos primeiros 11 meses deste ano mais de 2.500 pessoas morreram ou desapareceram no Mediterrâneo enquanto tentavam alcançar as costas europeias.

Numa outra rota do Mediterrâneo, a Central (que sai da Líbia, Argélia e da Tunísia em direção a Itália e a Malta), as agências noticiosas internacionais relataram hoje que quatro migrantes, incluindo uma mulher grávida e um homem com problemas de saúde, foram retirados nas últimas horas do navio de resgate humanitário “Sea-Watch 3”, que aguarda há vários dias em alto mar por um porto seguro para desembarcar as 440 pessoas que tem a bordo.

Estes quatro migrantes foram reencaminhados para o território italiano, à semelhança de outras duas migrantes que tinham sido retiradas da embarcação da organização não-governamental (ONG) alemã Sea Watch na segunda-feira.

Neste momento, ao largo das costas italianas, mais de mil migrantes aguardam há vários dias a bordo de dois navios humanitários pela atribuição de um porto seguro para desembarque.

A par dos migrantes resgatados pelo “Sea-Watch 3”, outras 558 pessoas estão a bordo do navio da ONG Médicos sem Fronteiras, o “Geo Barents”, ao largo da costa da Catânia (sul de Itália), onde passaram o Natal.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link