Conecte-se connosco

Coimbra

O regresso às matinés em Coimbra (com vídeos)

Publicado

em

As discotecas reabriram a 1 de outubro depois de 19 meses encerradas e já voltaram às matinés, momentos de convívio e que ajudam muitos a combater a solidão. O Notícias de Coimbra (NDC) esteve esta tarde na danceteria El Divino, em Cernache, junto ao IC2, e falou com alguns clientes do espaço onde só se entra com certificado de vacinação Covid.

Às 15:00 o espaço abriu para mais uma matiné, como acontece todas as quartas e domingos. O parque de estacionamento já estava cheio e à porta iam chegando os clientes, a maioria em pares e já de certificado na mão.

O El Divino, com lotação de 380 pessoas, reabriu a 1 de outubro e retomou as matinés no dia 3. “As pessoas estavam ansiosas por regressar. Nós trabalhamos para um público mais maduro e isto acaba por ser quase um serviço público. As pessoas veem, conversam umas com as outras sobre a sua vida, dançam a tarde toda é quase uma fisioterapia”, explica ao NDC Filipe Pereira, um dos responsáveis pelo espaço de diversão.

A discoteca teve obras de remodelação, mudou todo o sistema de renovação de ar e conta com vários postos de desinfeção das mãos. Além disso, também a decoração é nova. “Foi pensada para, psicologicamente, o cliente não se sentir enclausurado, porque os clientes já estiveram tanto tempo dentro de casa fechados”, referiu.

“É o meu ginásio, faz-me muito bem, adoro música, adoro dançar, saímos daqui com a alma renovada”, garante Luísa Santos, 70 anos. Cliente frequente, passa “à vontade duas horas e meia a dançar”.

Durante a pandemia teve de “improvisar”. “Na ausência do El Divino, montei uma pequena discoteca no rés-do-chão da minha casa e dançava com o meu par de há 52 anos”, contou divertida, revelando que as matinés lhe trazem “alegria e bem-estar”.

“Adoro dançar e comunicar”, diz Maria Marques, 68 anos. “Nunca me canso. Sou capaz de acabar às 03:00”, assegura.

“Vir aqui faz-nos bem à mente e ao corpo”, sustenta contando que tem amigos que reencontra sempre que vai à discoteca e funcionam “quase como uma família”.

Também Fernando Leitão não dispensa o convívio. “Para quem está sozinho e gosta de dançar a discoteca é um escape”, acredita.

Os bares e discotecas reabriram na terceira fase do novo plano de desconfinamento, a partir de 1 outubro. Mas as portas só podem abrir para quem apresentar certificado digital de vacinação à entrada.

Veja aqui o direto NDC, com Filipe Pereira:

 

Veja o direto NDC com Luísa Santos:

r

Veja o direto NDC com Maria Marques:

Fernando Leitão costuma ir às matinés. Veja aqui o direto NDC:

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link