Conecte-se connosco

Região

Nova associação empresarial defende maior capacitação do porto da Figueira da Foz (com vídeo)

Publicado

em

O presidente do Conselho Empresarial da Região de Coimbra (CERC), formalmente constituída hoje, em Miranda do Corvo, no distrito Coimbra, defendeu uma maior capacitação do porto da Figueira da Foz para que seja competitivo nos próximos anos.

“Para isso, precisa de aumentar o calado, o espaço de manobra da bacia para acolher barcos com maior capacidade e com isso servir toda esta região que possa estar dependente do porto da Figueira da Foz”, disse Nuno Lopes, lembrando que aquela infraestrutura já foi a terceira maior do país.

Aos jornalistas, o dirigente associativo, que lidera também a Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz, salientou que urge igualmente “capacitar a linha férrea de melhores condições e algumas estruturas rodoviárias do interior da região”, com destaque para o IP3 (Coimbra/Viseu) e IC6 (pensado para ligar Penacova/Covilhã).

Segundo Nuno Lopes, o CERC assume-se como “o reforço da Câmara do Comércio e Indústria do Centro no que diz respeito à defesa dos legítimos interesses e direitos da região de Coimbra”.

Num desafio deixado às entidades que tutelam os dinheiros públicos, o presidente do CERC frisou que é estratégico para a região uma boa otimização dos fundos provenientes do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e do Portugal 2030.

“Os investimentos públicos são muito importantes, mas investir nas empresas é garantir o retorno para as finanças públicas através da criação de valor e é ter trabalho ativo em Portugal e garantir o futuro das gerações vindouras”, salvaguardou.

E deixou ainda um apelo: “Usem a nossa proximidade territorial e o conhecimento dos nossos empresários para desenvolver planos de ação que vão ao encontro das necessidades reais das nossas empresas”.

Na sua intervenção, o presidente do CERC defendeu que a inovação e a partilha de conhecimento “são a resposta para muitos dos problemas”, pelo que a nova associação pretende “envolver o meio académico e o tecido empresarial, colocando a investigação ao serviço do desenvolvimento socioeconómico da região”.

“Queremos reter os nossos talentos e combater a baixa demográfica, para isso contamos com a Comunidade Intermunicipal [da Região de Coimbra], através dos municípios para nos darem os devidos apoios territoriais”, disse.

Salientando que a região está a perder competitividade, Nuno Lopes disse que o CERC quer “mudar esse paradigma” e que, para isso, “é preciso estar unido e defender a uma só voz os interesses do território”.

Depois de dois anos de maturação do processo, o CERC foi hoje constituído formalmente por 12 associações empresariais da área da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, que representam mais de 15.000 empresas, 85.000 postos de trabalho e um volume de negócios superior a 10 mil milhões de euros.

Na cerimónia, realizada na Casa das Artes de Miranda do Corvo, participou o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, João Vieira Lopes, e o vice-presidente do Conselho Geral da Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

 

 

Veja o vídeo do Direto NDC da cerimónia de Constituição do CERC:

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link