Opinião

Nostalgia do Vergalho 

OPINIÃO | Bernardo Neto Parra | 2 semanas atrás em 08-06-2024

Acabou… terminada mais uma edição da Queima das Fitas, podemos finalmente  descansar, recuperar da ressaca da semana de folia que transforma esta pequena cidade  à beira-rio plantada num festival niilista e desenfreado, inspirado nas mais idílicas memórias de Woodstock 69. 

PUBLICIDADE

Música no parque, cerveja na mão, droga no sangue e hormonas aos saltos, numa  primavera de maio que não passa despercebida nem aos espíritos mais eremitas. Dias e  noites de animação ininterrupta, com a juventude ao volante e a geração adulta a aplaudir  os seus despropositados peões, conivente com banhos de cerveja e duches de vinho tinto. 

Este ano foi particularmente turbulento. Ou isso ou eu estou feito o mais velho dos velhos do Restelo. Compelido a acompanhar irmãos e familiares protagonistas da festa, fui  obrigado a assistir ao Cortejo, na condição de participante passivo que procura por todos  os meios e acrobacias escapar aos arremessos de variadas mixórdias líquidas, de natureza  duvidosa, todas elas com grande teor alcoólico.  

PUBLICIDADE

Para agravar a minha velhice, nesses dias, tive de conviver com a nostalgia de um amigo  próximo, emigrante, que, de regresso a casa, não se poupava na partilha de memórias e  recordações de uma juventude (há muito) passada. 

Não foi fácil para mim… tive alguma dificuldade em lidar com a euforia da Queima das  Fitas. Apesar de não ter há muito cruzado a barreira dos 30, sinto-me hospedado num  intervalo, de dimensão desconhecida, que divide a juventude de copos e aventuras e a  maturidade de bebés e batizados, uma espécie de limbo que me obriga a conviver com a  minha própria amargura pelo fim daquelas façanhas e a felicidade juvenil espelhada na  cara de cada estudante. 

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

É verdade que já não cobiço o espírito enérgico de quem se diverte como se não houvesse  amanhã: “Miudagem, vai haver amanhã. Há sempre amanhã… E se se seguir a um «ontem» de excessos de cerveja e afins, o amanhã, que rapidamente se torna «hoje», vai ser duro.  Cuidado com isso!”. 

E mesmo com a consciência de que já não tenho pedalada para a dureza daqueles  «amanhãs», encaro o entusiasmo daqueles jovens adultos com o cinismo de quem julga  saber mais, de quem antecipa as suas futuras responsabilidades, olhando de cima para 

baixo: “Se soubesses o que aí vem, não exibias esse sorriso palerma. Diverte-te enquanto  podes”. 

Porém, em simultâneo, vive em mim uma nostalgia invejosa que, gradualmente, vai  silenciando o meu ascendente sobre a criançada. E, por isso, dou por mim a encarar cada estudante de baixo para cima, de pescoço esticado, a desejar ardentemente que uma  qualquer máquina do tempo me devolva à década passada, se possível já trajado e de  cerveja na mão, pronto para reviver aquela aventura com aquela felicidade desgovernada. 

A questão é que para o ano há mais… e até que me conforme com a beleza da velhice, ou sequer da meia-idade, terei de levar com o júbilo destes miúdos, que me recordam, ano  após ano, que a malta de Arquitetura — ou mesmo a de Direito, Psicologia ou Medicina — “é malta do caralho, a que tem maior vergalho”. 

Preciso da paciência que, segundo ouço, só a idade traz.

OPINIÃO | BERNARDO NETO PARRA

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE