Saúde

Nanopartículas usadas em dentífricos provocam alterações no fígado do pregado

Notícias de Coimbra com Lusa | 10 meses atrás em 21-09-2023

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) concluíram que a ingestão de nanopartículas de dióxido de titânio, usadas na composição de produtos de higiene e dentífricos, provoca alterações celulares no fígado do pregado, foi hoje anunciado.

PUBLICIDADE

Em comunicado, o centro da Universidade do Porto adianta que a investigação permitiu compreender o impacto das nanopartículas de dióxido de titânio na aquacultura e no meio marinho.

As nanopartículas de dióxido de titânio integram a composição de vários produtos, como protetores solares, cremes e pastas dos dentes.

PUBLICIDADE

Em declarações à Lusa, a investigadora Elza Fonseca explicou que a avaliação do impacto destas nanopartículas é “essencial para garantir a viabilidade dos ecossistemas marinhos”.

“A utilização inevitável de nanopartículas nas nossas vidas enquanto consumidores e a subsequente presença no meio ambiente faz-nos questionar quais as implicações para os organismos aquáticos, incluindo aqueles criados em aquacultura, e consequentes riscos associados ao consumo de produtos contaminados”, salientou.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Publicado no Journal of Hazardous Materials, o estudo procurou analisar os diferentes efeitos provocados pela ingestão destas nanopartículas em pregado, uma espécie produzida em aquacultura e com interesse comercial.

A equipa analisou o efeito da ingestão de nanopartículas de dois tamanhos diferentes e quantificou a presença nos tecidos expostos e não expostos dos peixes.

“Não houve mortalidade, nem se observaram diferenças comportamentais” nos dois grupos que ingeriram as nanopartículas, esclareceu.

Os investigadores decidiram ainda avaliar o estado do fígado do pescado, dado o papel fundamental deste órgão na destoxificação.

“Embora tenham ocorrido alterações ao nível do fígado há lugar para boas notícias”, destaca o CIIMAR, esclarecendo que apesar das nanopartículas estarem cada vez mais presentes no ambiente, “parecem não ser tão tóxicas” como as nanopartículas de prata, uma vez que “os peixes têm a capacidade de excretar estas substancias através das fezes”.

“O facto de estas nanopartículas não acumularem nos tecidos examinados não significa que não perturbem o equilíbrio do organismo até serem excretadas”, referiu Elza Fonseca, alertando para a necessidade de não se desvalorizar a presença destas nanopartículas no ambiente.

A investigação foi desenvolvida ao abrigo do projeto Nanoculture, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Programa Interreg Espaço Atlântico.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE