Conecte-se connosco

Mundo

Na Venezuela uma mulher é assassinada a cada 27 horas

Publicado

em

A cada 27 horas é assassinada uma mulher na Venezuela, denunciou hoje o embaixador da União Europeia (UE) em Caracas, Rafael Dochao Moreno, alertando que homens e mulheres devem trabalhar juntos para combater o flagelo.

“Há um femicídio (…), estas são estatísticas terríveis e por isso quero destacar esta questão, e o número de órfãos que ficam, após os seus ataques”, disse o diplomata.

Rafael Dochao Moreno falava em Caracas, durante uma conferência de imprensa em que anunciou que a UE estava a preparar, para sábado a 4.ª Corrida da União Europeia contra a Violência contra as Mulheres, na qual tradicionalmente participam milhares de pessoas.

“Tento sempre dar um tom mais jovial às minhas apresentações, mas no caso de violência de género não posso ser muito jovial”, exclamou o diplomata, que se referiu a expressões que são símbolo de violência.

“Infelizmente, diz-se muitas vezes que ‘caladinha te vês mais bonita’. Já ouvi dizer em Espanha centenas de vezes. [Também] aqui, no Peru e no Chile, nos países onde estive (…). Infelizmente, no mundo latino-hispânico, estas expressões parecem-nos normais, mas (…) já é um nível bastante elevado de machismo”, disse Rafael Dochao Moreno.

O diplomata começou a conferência de imprensa a afirmar que a violência de género, “é um flagelo mundial”.

“Ou somos capazes de o enfrentar juntos, homens e mulheres, ou não poremos um fim a este flagelo”, acrescentou, frisando que “trabalhar em conjunto, denunciar a questão da violência contra as mulheres é responsabilidade de todos”.

Por outro lado, explicou que a União Europeia “tem um plano de ação de género, que leva à realização de atividades em muitos países do mundo, particularmente na América Latina e Venezuela, financiando organizações da sociedade civil”.

“Durante a pandemia [da covid-19], a violência contra as mulheres aumentou mais de 25%. O estar confinados em casa, a dificuldade de movimento, infelizmente, tem provocado muita mais violência contra as mulheres, e por isso também devemos estar conscientes desta questão”, sublinhou.

Rafael Dochao Moreno insistiu que “cada morto ou cada morta, neste caso, já é muito” e que se trata de um problema mundial.

“As estatísticas, mesmo na Europa, não são muito fiáveis, porque nem todos os países querem divulgar estatísticas fiáveis. Há países, mesmo países muito sérios (…) que ocultam ou não divulgam as mesmas estatísticas. Em Espanha, um dos países que melhor conheço, ou na Bélgica, os números são espantosos, talvez não sejam 200 mulheres por ano, uma a cada 27 horas, mas uma a cada dois ou três dias”, disse.

Para o diplomata é “irrelevante” se na Venezuela ou no Peru morrerem 200 mulheres por não, porque “morrer apenas uma mulher já é extremamente grave”.

“Em todos os países europeus, mesmo nos mais avançados em termos de igualdade de género, como os países nórdicos, como a Suécia, a Finlândia, a Dinamarca e a Noruega, apesar de não ser membro da União, existe violência contra as mulheres (…) é um flagelo que não está apenas na América Latina, África ou Ásia, está nos países mais desenvolvidos e o machismo mata no Japão, nos EUA e Canadá, na Espanha, França, Alemanha e Suécia, por isso a preocupação deve ser mundial, em todos os momentos e em todos os lugares”, explicou.

Para o diplomata é um orgulho “que haja pessoas que não se calam, que num dado momento tomam a iniciativa de acabar com a violência contra as mulheres”.

“Isto é algo que tem de ser iniciado desde a infância, nas escolas, que tem de ser feito mesmo no elevador que leva ao apartamento, ou na rua, quando se vê um homem a empurrar uma mulher, fazendo um gesto para dizer não. O que quer que façamos, vai fazer aquela pequena mudança que a sociedade necessita”, concluiu Rafael Dochao Moreno.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link