Conecte-se connosco

Crimes

Ministro não comenta presença de condenado na guest list para a presidência da CCDRC (com vídeo)

Publicado

em

Poiares Maduro não divulga quando vai nomear o próximo Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) e recusa-se a comentar a presença entre os escolhidos pela Comissão de Recrutamento da Função Pública (CRESAP) de um cidadão condenado a 9 anos de inibição do exercício de funções de gestão.

Instado por NDC a comentar estes assuntos, durante a visita que esta manhã fez ao IPN (onde esteve o actual prsidente da CCRDC e uma das canidatas ao lugar que este ainda ocupa), o Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional diz que o novo líder será conhecido “no tempo certo” e recusou-se a tecer considerações  sobre a escolha da CRESAP, remetendo para esta entidade qualquer tipo de comentário sobre o perfil de um dos  candidatos.

A condenação do candidato surgiu no âmbito do processo de insolvência  culposa da Invesvita SA, da qual António Queirós, a pessoa em causa, foi administrador delegado.

A sentença de 2013, emitida pelo Tribunal de Coimbra, em poder de NDC,  refere que “em consequência desse acto, António Manuel de Almeida Santos Queirós, atentos os factos constantes e exarados na sentença, inibido para o exercício do comércio durante um período de 9 (nove) anos, bem como a ocupação de qualquer cargo de titular de órgão de  sociedade comercial ou civil, associação ou fundação privada de actividade económica, empresa pública ou cooperativa”.

O Ministro passa a bola para  a CRESAP e a comissão  de recrutamento devolve-a como batata quente para o Governo, pois NDC já ouviu a entidade que escolheu Queirós.

A CRESAP  alega que “Desconhecia e desconhece se o Doutor Queirós se encontra impedido por decisão judicial ou outra” e sacode a água do capote alegando que ”o Doutor Queirós assumiu, sob compromisso de honra, que não possuía qualquer incompatibilidade, impedimento e inibição para o exercício de dirigente superior da Administração, nos termos da lei”, concluindo que não é “órgão de polícia” e  que deve ser o Governo a tratar do caso, ficando assim patente que esta entidade não escrutina devidamente os concorrentes e nem sequer lhes pede o registo criminal.

António Manuel de Almeida dos Santos Queirós, é, em conjunto Ana Maria Pereira Abrunhosa (ex-vice-presidente da CCDRC) e Joaquim Norberto Cardoso Pires da Silva (o anterior presidente  da CCDRC que foi  ”despedido” por este governo do seu PSD),  um dos 3  concorrentes indicados ao governo pelo júri da CRESAP presidido por Francisco Bilhim.

António Santos Queirós é presidente da Liga de Amigos de Conimbriga (LAC), partner da Invesvita, por exemplo, no restaurante do Museu de Conimbriga, mas não é só neste caso que o putativo presidente da CCDRC aparece dos dois lados da parceria.

 A LAC é sócia única das sociedades unipessoais Marco Miliário, Jardineiros de Conimbriga e Ulisseia Hospedaria, todas com sede no Museu Monográfico de Conimbriga.

Em actualização  

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com