Justiça

Ministério Público pede prisão efetiva para Mário Machado por apelo à violação de mulheres de esquerda

Notícias de Coimbra | 3 meses atrás em 18-04-2024

O Ministério Público (MP) pediu hoje pena de prisão efetiva para o militante de extrema-direita Mário Machado por reincidência, no âmbito do processo em que está acusado de incitamento ao ódio e à violência contra mulheres de esquerda.

PUBLICIDADE

Sobre o outro arguido, Ricardo Pais, acusado do mesmo crime por mensagens no antigo Twitter (atual X) em que apelavam à violação de mulheres de esquerda, o MP considerou na sessão de hoje “equacionar a pena suspensa”, por não ter antecedentes criminais.

Em causa neste julgamento estão mensagens publicadas no Twitter atribuídas a Mário Machado e Ricardo Pais em que estes apelavam à “prostituição forçada” das mulheres dos partidos de esquerda, e que visaram em particular a professora e dirigente do movimento alternativa socialista (MAS) Renata Cambra.

PUBLICIDADE

As alegações finais foram proferidas pela procuradora Teresa Silveira Santos no Juízo Local Criminal, no Campus de Justiça, em Lisboa, onde será feita a leitura da sentença em 07 de maio às 15:30.

Lisboa, 18 abr 2024 (Lusa) – O Ministério Público (MP) pediu hoje pena de prisão efetiva para o militante de extrema-direita Mário Machado por reincidência, no âmbito do processo em que está acusado de incitamento ao ódio e à violência contra mulheres de esquerda.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Sobre o outro arguido, Ricardo Pais, acusado do mesmo crime por mensagens no antigo Twitter (atual X) em que apelavam à violação de mulheres de esquerda, o MP considerou na sessão de hoje “equacionar a pena suspensa”, por não ter antecedentes criminais.

Em causa neste julgamento estão mensagens publicadas no Twitter atribuídas a Mário Machado e Ricardo Pais em que estes apelavam à “prostituição forçada” das mulheres dos partidos de esquerda, e que visaram em particular a professora e dirigente do movimento alternativa socialista (MAS) Renata Cambra.

As alegações finais foram proferidas pela procuradora Teresa Silveira Santos no Juízo Local Criminal, no Campus de Justiça, em Lisboa, onde será feita a leitura da sentença em 07 de maio às 15:30.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE