Conecte-se connosco

Mundo

Ministério Público da Guiné-Bissau devolve gado roubado

Publicado

em

O Ministério Público guineense anunciou hoje ter procedido à entrega ao proprietário de 14 cabeças de gado que tinham sido roubadas no início do mês na localidade de Pelundo, norte do país.

Através de uma nota, o Ministério Público anunciou que no âmbito da operação foi detido um homem suspeito de pertencer ao grupo responsável pelo roubo dos animais, constituído por cinco pessoas.

Os outros suspeitos de envolvimento no roubo encontram-se a monte, mas o Ministério Público já emitiu um mandato de captura contra os mesmos.

O comissário da polícia da província norte, Sambum Seidi, enalteceu a “nova dinâmica” em curso na região de Cacheu, considerada a zona mais fustigada pelo fenómeno de roubo de gado na Guiné-Bissau, para sublinhar os “excelentes resultados” alcançados nos últimos três meses.

Sob a orientação expressa do ministro do Interior, Botche Candé, e do secretário de Estado da Ordem Pública, Augusto Kaby, ambos membros do Governo cessante, a polícia guineense montou postos de vigilância em várias comunidades das localidades da região de Cacheu.

O governador da região, Fernando Pires, também destacou os resultados alcançados pela ação da polícia, que disse ter criado comités de vigilância e reforçado o conceito de policiamento de proximidade, além de efetuar patrulhamento conjunto sobretudo nas localidades próximas da zona da fronteira entre a Guiné-Bissau e o Senegal.

O roubo do gado ocorre com regularidade naquelas zonas, sendo recorrentes relatos de animais que são escondidos num e no outro lado da fronteira, dependendo do lugar do crime.

Neste momento, a polícia guineense montou postos permanentes de vigilância fronteiriça nas localidades de Bigene, Farim e Ingoré, notou o comissário da polícia Sambum Seidi, indicando que os resultados são encorajadores.

O comissário da polícia reconheceu que ainda existem elementos das autoridades que colaboram com os ladrões e exortou a população a denunciar qualquer ação criminosa.

“Em cerca de três meses da nossa nova forma de trabalhar, recuperamos e entregamos mais de 300 cabeças do gado bovino”, observou o comissário Sambum Seidi.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link