Conecte-se connosco

Coimbra

Milhares de pessoas despedem-se de Eusébio

Publicado

em

Milhares de pessoas despediram-se hoje do ex-futebolista Eusébio, falecido no domingo, no trajeto do cortejo fúnebre nas ruas de Lisboa, numa onda de grande comoção.

O cortejo fúnebre, que se dirigiu para os Paços do Concelho, foi recebido na avenida da República, no Saldanha e na avenida Fontes Pereira de Melo por uma salva de palmas monumental.

Com as vias cortadas ao trânsito em direção ao Marquês de Pombal, as pessoas, que começaram a chegar cerca das 14:15, invadiram as faixas de rodagem, deixando apenas a do meio para o cortejo fúnebre.

Na altura em que o carro que transportava o corpo de Eusébio passava, proveniente do Estádio da Luz, onde cumpriu uma volta olímpica por desejo do “Pantera Negra”, várias pessoas gritaram: “Eusébio”, “Adeus, King” e “Sport Lisboa e Benfica”.

Em alguns rostos das muitas pessoas que se encontravam no passeio central da praça Duque de Saldanha eram visíveis lágrimas e os olhos marejados.

Gonçalo Costa, de 26 anos, nunca viu atuar Eusébio, mas guarda do “Pantera Negra” a imagem de “imagem incontornável do século XX”.

“Eusébio representava tudo o que eu aprendi a amar do Benfica, a mística, o querer, a vontade, a humildade. Representava tudo isso para nmim. Era um símbolo vivo para mim”, disse.

Por isso, Gonçalo Costa entendeu que devia estar presente no Saldanha na passagem do cortejo fúnebre, depois de, no domingo, ter estado no Estádio da Luz, onde o corpo de Eusébio esteve em câmara ardente.

“Nada do que façamos por ele poderemos agradecer o que Eusébio fez, não só pelo Benfica como pelo país e por toda a sociedade”, afirmou.

Outro cidadão anónimo que se deslocou ao Saldanha, Augusto Pereira, de 56 anos, referiu que Eusébio “representava tudo na vida”.

Augusto Pereira recorda-se do primeiro jogo com Eusébio que viu no Estádio da Luz, em março de 1971.

“Passei a ir à bola e nunca mais abandonei o futebol. Com o Benfica, ia para o Porto, Coimbra, Aveiro. Quando ele esteve no Beira-Mar, na parte final da sua carreira, fui lá vê-lo jogar”, disse, acrescentando que frequentou o Estádio da Luz “desde os 14 aos 28 anos”.

Eusébio da Silva Ferreira faleceu na madrugada de domingo, aos 71 anos, vítima de uma paragem cardiorrespiratória.

A missa de homenagem a Eusébio está programada para as 16:00, na Igreja do Seminário no Largo da Luz.

Após a homília, o cortejo fúnebre dirige-se para o cemitério do Lumiar, onde decorreu o funeral.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade