Conecte-se connosco

Saúde

Médicos do Centro exigem criação de novo Plano Nacional para o Planeamento Familiar

Publicado

em

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) exortou hoje o Ministério da Saúde a implementar um novo Plano Nacional para o Planeamento Familiar, com novos modelos de resposta e mais segurança e qualidade na saúde materna.

“Se há tantos utentes sem médico de família, como poderemos estar a colocar como tema de discussão as avaliações de desempenho de médicos quanto à interrupção voluntária da gravidez?”, questionou o presidente da estrutura, Carlos Cortes.

Em comunicado enviado à agência Lusa, aquele responsável referiu que “a ministra da Saúde não perde uma oportunidade para responsabilizar os profissionais de saúde e, neste caso concreto, os médicos, pelas falhas no planeamento familiar”.

“Este tema, tão complexo e sensível, merece um amplo debate, e não apenas decisões tomadas em gabinetes”, sublinhou Carlos Cortes.

O presidente da SRCOM considerou que, no atual contexto, está-se a “estigmatizar as mulheres que decidem interromper a gravidez” e está-se a “responsabilizar os médicos por uma decisão que é do foro íntimo de cada mulher”.

O médico defendeu a necessidade de criar um novo programa nacional que possa, desde logo, “mitigar as dificuldades de acesso à saúde reprodutiva e consequentes piores indicadores da saúde”.

“Como se podem responsabilizar os médicos ou estigmatizar os casais quando o Ministério da Saúde deixa desprotegidos os jovens que pretendem um planeamento familiar mais eficaz?”, questionou.

Segundo Carlos Cortes, “as últimas orientações técnicas da Direção-Geral da Saúde sobre saúde reprodutiva datam de 2008”, quando, atualmente, “a sociedade é muito diferente”.

Para o presidente da SRCOM, é urgente “a intervenção junto de grupos vulneráveis, população migrante, o envolvimento dos jovens nesta área”, aludindo, mais uma vez, à necessidade de se implementar um novo Plano Nacional para o Planeamento Familiar.

O dirigente considerou ainda que, no início do novo mandato governativo, o Ministério da Saúde demonstra “uma incapacidade de tratar qualquer tema da Saúde para além da pandemia da covid-19”.

“É preciso uma ministra da Saúde, não uma ministra só da covid-19. Há problemas graves que urge resolver de forma hábil e assertiva”, salientou Carlos Cortes, frisando que “ao querer colocar o ónus da gravidez não desejada nos médicos e nos casais”, Marta Temido “demonstra uma profunda desorientação do Ministério da Saúde”.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link