Conecte-se connosco

Política

Marta Temido diz em que Coimbra que “não podemos correr o risco de deitar o SNS borda fora” (com vídeos)

Publicado

em

A cabeça de lista do Partido Socialista (PS) pelo círculo eleitoral de Coimbra, Marta Temido, evocou hoje António Arnaut para defender o Serviço Nacional de Saúde (SNS). A ministra da saúde falou a centenas de apoiantes que se juntaram na Praça 8 de Maio, no final de uma arruada que contou com a presença do líder do partido, António Costa. 

“Não podemos correr o risco de deitar o SNS borda fora, porque é isso que está em causa”, afirmou com um ramo de rosas vermelhas na mão ao som de um microfone preparado na “varanda” em frente à Câmara Municipal. “Saibamos ler nas entrelinhas. Está escrito e é claro, quando se diz que se quer substituir o SNS por um sistema nacional de saúde, ninguém fica a saber porquê. Quando se diz que as taxas moderadoras são uma questão técnica, são uma questão técnica que toca nos bolsos dos portugueses, que mina o acesso à saúde”, sublinhou a candidata atacando o programa do PSD.

“Quem é de Coimbra e viu o doutor António Arnaut defender o SNS, não esquece o património que temos na saúde pública. O SNS tem muito para melhorar, mas o SNS esteve lá nos piores dias, naqueles dias em que as ambulâncias faziam fila e não havia sítio para deitar doentes. Dias em que todos tínhamos o coração cheio de aflição”, disse Marta Temido numa referência ao fundador do PS e pai do SNS.

“Há um conjunto de outras coisas que nos dividem daqueles que estão à nossa direita mas esta é essencial, sem saúde não há riqueza, não há trabalho, não há um país que caminhe para a frente”, referiu, defendendo que “no próximo domingo a escolha é entre dois modelos muito diferentes de país e de sociedade”. Para a número 1 da lista por Coimbra “o Estado é um guarda chuva social que está lá para os piores momentos e não é se quer decente não reconhecer isto”.

“Marta! Marta! Marta!” ouviu-se na Praça 8 de maio, logo antes de António Costa usar da palavra para argumentar que o voto no PS permitirá “o aumento extraordinário das pensões, a subida do salário mínimo até 2026 e a manutenção de um Serviço Nacional de Saúde tendencialmente gratuito”.

“Com o PS, fica garantido um Serviço Nacional de Saúde público, universal e sempre, sempre, sempre tendencialmente gratuito”, sublinhou o secretário-geral do PS, depois de percorrer a Rua Ferreira Borges e a Visconde da Luz, entre um mar de apoiantes e bandeiras. A meio do caminho falou aos jornalistas para dizer que o PSD tem um programa onde “há gato” escondido em matérias como o salário mínimo, pensões e saúde.

À arruada juntaram-se militantes do PS como Manuel Machado, Carlos Cidade, Regina Bento, Carina Gomes, Nuno Moita e Emílio Torrão, entre muitos outros que apelaram ao voto.

 Veja o direto NDC com a intervenção de Marta Temido e António Costa: 

Veja as declarações de António Costa aos jornalistas em Coimbra: 

Mais vídeos e fotografias disponíveis no Facebook do Notícias de Coimbra.

 

 

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link