Conecte-se connosco

Saúde

Mantém-se emergência internacional para o SARS-CoV-2

Publicado

em

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou hoje que mantém a emergência internacional para o coronavírus SARS-CoV-2 declarada em 30 de janeiro de 2020, apesar de haver menos casos graves da doença covid-19.

A situação de emergência para o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, mantém-se apesar de a atual vaga de infeções globais, com números recorde, não ser acompanhada por um aumento de mortes, uma vez que muitos novos casos são ligeiros, disse a OMS.

O Comité de Emergência da OMS, que se reuniu durante mais de quatro horas em 14 de janeiro, aconselhou o diretor-geral da agência internacional, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a manter o nível de alerta, tendo este aprovado a proposta, segundo um comunicado divulgado hoje.

Presidido por Didier Houssin, o comité, que se reúne aproximadamente de três em três meses para analisar a evolução da pandemia, considerou que o risco global associado à covid-19 permanece elevado, devido em parte ao aumento de novas variantes do coronavírus SARS-CoV-2, como a Ómicron, que já é dominante no planeta.

Entre as recomendações emitidas pelo comité na sua sexta reunião está o apelo para que a OMS acelere a investigação sobre a eficácia das vacinas e a duração da imunidade que elas proporcionam.

Também sugere que as restrições às viagens internacionais devem ser limitadas e baseadas em provas, depois de o alerta da variante Ómicron, do passado mês de novembro, ter afetado novamente o tráfego aéreo global, o que não impediu a transmissão da nova estirpe do coronavírus.

Dada a distribuição desigual das vacinas a nível mundial e as dúvidas sobre a sua eficácia em parar a transmissão, o comité insiste que os governos não devem exigir provas de vacinação aos viajantes internacionais.

Os peritos da OMS acreditam que, embora as vacinas tenham perdido eficácia na prevenção da infeção e transmissão do coronavírus, ainda são eficazes na prevenção de formas graves da doença, incluindo casos fatais.

A covid-19 provocou 5.543.637 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.380 pessoas e foram contabilizados 1.950.620 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante no mundo.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link