Conecte-se connosco

Empresas

Mais de dois terços das empresas preveem aumentar preços de venda este ano

Publicado

em

 Mais de dois terços das empresas (67%) preveem aumentar os preços de venda este ano, sobretudo devido aos custos acrescidos com matérias-primas, bens intermédios e energia, e 48% antecipa subidas de, pelo menos, 5%, divulgou hoje o INE.

Segundo os resultados do “Inquérito Rápido e Excecional às Empresas – Edição de maio de 2022” do Instituto Nacional de Estatística (INE), “67% das empresas preveem aumentar os preços de venda em 2022, face a 2021, 32% esperam uma manutenção e apenas 2% mencionam uma redução dos preços”.

Perto de metade (48%) das empresas preveem aumentos dos preços de venda iguais ou superiores a 5%, sendo a proporção de empresas que esperam aumentar os preços em 10% ou mais superior à das que esperam aumentos iguais ou inferiores a 4% (26% e 18% das empresas, respetivamente).

A percentagem de empresas que esperam um aumento dos preços de venda em 2022 aumenta com a dimensão: 52% nas micro, 66% nas pequenas, 74% nas médias e 73% nas grandes empresas.

Por setor de atividade, o INE destaca quatro setores pela percentagem de empresas que esperam um aumento dos preços de venda em 2022: ‘Indústria e energia’ (78%), ‘alojamento e restauração’ (75%), ‘transportes e armazenagem’0 (73%) e ‘comércio’ (70%). Já nos setores de ‘informação e comunicação’ e ‘outros serviços’, mais de metade das empresas preveem manter os preços em 2022 (57% e 52%, respetivamente).

Das empresas que esperam subir os preços em 2022, 60% assinalam o aumento dos custos com matérias-primas/bens intermédios (não energéticos) como o principal motivo, sendo o aumento dos custos energéticos também considerado como ‘muito relevante’ para o aumento dos preços por 49% das empresas.

De acordo com o INE, quase 60% das empresas consideram que o aumento dos custos energéticos e de outras matérias-primas/ bens intermédios são “fatores muito relevantes com potencial impacto negativo na sua atividade”.

O aumento dos custos de transportes e os problemas no fornecimento de matérias-primas/bens intermédios são também referidos como fatores negativos ‘muito relevantes’ por, respetivamente, 53% e 43% das empresas.

A alteração/diversificação de fornecedores é referida por 49% das empresas como a principal medida para mitigar os efeitos da escassez das matérias-primas e bens intermédios e outras disrupções na cadeia de fornecimentos, seguida pela manutenção de níveis de ‘stock’ mais elevados (26%).

Já a renegociação de contratos de fornecimento é referida por 43% das empresas como a principal medida para mitigar os efeitos do aumento dos custos energéticos ou interrupções no fornecimento destes produtos, logo seguida da substituição por fontes de energia mais baratas/renováveis (30%).

Desde o início de 2022, e face ao mesmo período de 2021, mais de 80% das empresas reportam um aumento dos gastos com combustíveis líquidos e eletricidade, com os gastos médios a crescerem 25% na eletricidade, 29% nos combustíveis líquidos e 30% no gás.

A evolução da inflação e da guerra na Ucrânia são os fatores mais referidos pelas empresas com impacto ‘negativo’ ou ‘muito negativo’ na sua atividade em 2022 (82% e 75% das empresas). Em contraste, 52% das empresas espera um impacto ‘’positivo ou ‘muito positivo’ da evolução da procura dirigida à empresa.

O ‘Inquérito Rápido e Excecional às Empresas (IREE)’ foi lançado pela primeira vez pelo INE e pelo Banco de Portugal (BdP) em abril de 2020, “com o objetivo de identificar alguns dos principais efeitos da pandemia covid-19, baseando-se num questionário de resposta rápida”, tendo desde então sido efetuadas várias edições do inquérito.

O período de inquirição da atual edição decorreu entre 09 e 22 de maio de 2022, tendo-se obtido uma taxa de resposta de 73,6% (7.013 respostas válidas).

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade