Saúde

Má saúde oral diretamente relacionada com 23 doenças e cinco tipos de cancros

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 20-03-2023

Uma má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre as quais a diabetes, a obesidade e a asma, e cinco tipos de cancro, revela uma investigação hoje divulgada.

PUBLICIDADE

A conclusão faz parte do mais recente estudo “Uma revisão global da evidência que relaciona a saúde oral e as doenças sistémicas não transmissíveis”, publicado na Nature Communications pelo centro de investigação da Egas Moniz School of Health and Science e divulgado no Dia Mundial da Saúde Oral.

O relatório conclui que “uma saúde oral comprometida está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas e cinco tipos de cancro, nomeadamente o do pulmão, do pâncreas, da mama, da próstata, e da cabeça e do pescoço.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Entre as doenças que podem surgir em pacientes que tenham uma má saúde oral surgem a diabetes, doenças cardiovasculares, neurodegenerativas, reumáticas, inflamatória intestinal, e ainda, obesidade e asma, refere a Egas Moniz School of Health and Science em comunicado.

PUBLICIDADE

“Esta é a primeira investigação que, combinando toda a informação científica produzida mundialmente, demonstra existir associação entre a saúde oral e 28 patologias distintas, reforçando a importância que esta tem para a saúde em geral e justificando porque deve ser parte integrante do acompanhamento clínico”, salienta.

Segundo o investigador João Botelho, do Egas Moniz Center for Interdisciplinary Research, os resultados deste estudo coincidem com o Relatório Global de Saúde Oral da Organização Mundial de Saúde (OMS) 2022, que alerta para “a urgente necessidade de se incorporar definitivamente, não só cuidados de saúde oral, mas também a educação para a mesma nos sistemas de saúde”.

“Neste sentido, tendo por base a nossa investigação, pretendemos não só confirmar a correlação entre a saúde oral e outras patologias, mas também reforçar a importância do papel da medicina dentária como garantia da saúde em geral e da aposta na prevenção como complemento ao cuidado e tratamento”, sublinha João Botelho.

Para o investigador, esta questão é de “extrema importância” quando se verifica que “os cuidados de saúde oral, mesmo os básicos, não são acessíveis a todos”.

Segundo o Relatório Global da Saúde Oral da OMS, as doenças que afetam a cavidade oral são as mais comuns, afetando metade da população mundial.

Neste sentido, a investigação da Egas Moniz reforça a necessidade de prevenção de doenças sistémicas com impacto na qualidade de vida dos doentes, e estima que o número de doenças associadas à saúde oral negligenciada possa aumentar, consoante o número de estudos realizados.

Os investigadores alertam também para a prevalência destas patologias em Portugal, que atinge valores elevados quando comparada a outros países europeus.

Defendem ainda que medidas preventivas em saúde oral têm impacto económico, dando como exemplo que, só em 2018, a periodontite, doença que afeta as gengivas, causou uma perda económica na União Europeia estimada em 159 biliões de euros.

O Egas Moniz Center for Interdisciplinary Research tem atualmente 18 laboratórios totalmente equipados e de última geração, 80 membros integrados e mais de 100 colaboradores regulares.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE