Conecte-se connosco

Política

Líder do CDS diz que Conselho Nacional é legal e que críticos “faziam da mesma maneira”

Publicado

em

O presidente do CDS-PP defendeu hoje que a convocatória do Conselho Nacional é legal e referiu que aqueles que criticaram a direção “no seu tempo faziam rigorosamente da mesma maneira”.

Em declarações aos jornalistas na sede do partido, em Lisboa, depois de se ter dirigido ao Conselho Nacional, que está reunido por videoconferência e à porta fechada, Francisco Rodrigues dos Santos foi questionado sobre a carta enviada ao presidente daquele órgão por 25 conselheiros que questionavam “os termos da convocatória” para a reunião de hoje e a urgência, acusando a direção de “atropelo de todas as regras e procedimentos” e “falta de democracia interna”.

“Nem tudo o que se critica e se diz é verdade”, começou por dizer o líder centrista, argumentando que “nos estatutos do partido pode-se convocar Conselhos Nacionais com caráter de urgência ou sem caráter de urgência” e explicando que nos casos urgentes a convocatória “não tem antecedência mínima”, e “sem caráter de urgência tem antecedência de 10 dias mínima”.

“E eu marquei com caráter de urgência e foi expresso na convocatória, e a urgência foi justificada com a circunstância de que queríamos fazer um congresso antecipado para preparar eleições legislativas”, afirmou.

Aos jornalistas, Francisco Rodrigues dos Santos citou várias convocatórias (distribuídas depois aos jornalistas) para Conselhos Nacionais que aconteceram no passado com vista à marcação de congressos, assinadas por dirigentes como Telmo Correia ou António Pires de Lima e também da altura em que Pedro Mota Soares (o primeiro signatário da carta) era secretário-geral do CDS-PP, destacando que nesses casos a antecedência foi “a mesma ou até inferior” aos seis dias com que foi convocado o Conselho Nacional de hoje.

Defendendo que a “tradição no partido está aqui comprovada que não só é legal como no seu tempo faziam rigorosamente da mesma maneira”, o presidente do CDS-PP indicou que os seus opositores “têm de se mentalizar de uma coisa, já não são eles direção do partido, já não são eles presidência da mesa do Conselho Nacional, o partido continua sujeito às mesmas regras e a direção e o Conselho Nacional têm exatamente as mesmas prorrogativas que existiam no seu tempo”.

“Esses senhores que me criticam no partido são como Frei Tomás. Sabem como dizia Frei Tomás: faz o que eu digo, não faças o que ele faz”, criticou.

E avisou que “não adianta irem para a comunicação social contar inverdades, porque isto sim, são inverdades, para vender uma tese que permita a partir de fora tentar condicionar o voto cá dentro”.

Francisco Rodrigues dos Santos disse ainda não temer “de maneira nenhuma” que o congresso que será marcado pelo Conselho Nacional de hoje possa vir a ser considerado irregular.

Os 25 críticos que enviaram a carta ao presidente do Conselho Nacional, entre os quais Pedro Mota Soares, João Gonçalves Pereira e Nuno Magalhães, argumentaram que “nenhum dos pontos da ordem de trabalhos reveste, nos termos estatutários, natureza urgente” e que as “convocatórias das reuniões não urgentes” devem ser enviadas com dez dias de antecedência.

Estes críticos apelaram igualmente a Filipe Anacoreta Correia que reformasse “a convocatória para um Conselho Nacional, com prazo mínimo de 10 dias de antecedência, instruindo no mesmo prazo cada ponto da ordem de trabalhos com todos os documentos e informações que lhe devem ser anexas”, solicitando o adiamento da reunião de hoje.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link