Conecte-se connosco

Cidade

Lar para deficientes e famílias abre este ano em Coimbra

Publicado

em

 A Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência (AFSD) construiu um lar com 12 camas para residentes, em Coimbra, que deverá começar a funcionar nos próximos meses, disse hoje a presidente da instituição.

“A construção do edifício, com algumas melhorias e despesas acessórias, como estudos e alguns projetos de especialidades, levaram os custos para mais de um milhão de euros”, disse à agência Lusa Maria dos Prazeres Quintas.

O novo edifício inclui o Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) e o Lar Residencial da AFSD, que “dispõe de 12 camas para residentes fixos, que já não tenham retaguarda familiar, e temporários, em sistema rotativo, para períodos de descanso”, que permitirão solucionar problemas dos cuidadores.

“O Lar Residencial, a grande preocupação de quem tem estes filhos e sente a insegurança do futuro, já está pronto, assim como o CAO, que irá apoiar os residentes em Lar e acolher outros utentes em semi-internato”, afirmou Maria dos Prazeres Quintas.

Há quatro anos, a AFSD “tinha um terreno ainda matagal, cedido pela Câmara Municipal de Coimbra, um projeto de arquitetura e uma candidatura ganha aos fundos sociais europeus”, recordou.

“A vontade de vencer e a grande necessidade tornaram possível o que parecia impossível”, congratulou-se a dirigente e principal impulsionadora do empreendimento.

Ao todo, incluindo serviços de apoio e administrativo, o novo edifício ocupa uma área de construção de 1.508 metros quadrados.

O Lar Residencial dispõe de quatro quartos duplos e de quatro individuais, com casas de banho e banho assistido, além de salas de convívio, gabinete de prestação de cuidados de saúde e áreas de apoio.

O CAO é um espaço de ocupação, estimulação e conservação de capacidades que está preparado para receber 30 utentes.

“Estima-se que a instituição fique com uma dívida de mais de 300 mil euros e com as salas temáticas por equipar. Precisamos de mecenas para ajudar a equipar essas salas e para ajudar a aliviar a dívida”, apelou Maria dos Prazeres Quintas.

A associação está a receber pré-inscrições e “espera conseguir acordos com a Segurança Social para que estes utentes e suas famílias sejam chamados a contribuir com mensalidades suportáveis”, referiu.

“Há apenas um senão neste processo com muita urgência de ser resolvido: os acessos e infraestruturas que estão dependentes da construção de uma via pública que também fará serventia ao empreendimento”, disse, adiantando ter sido informada, entretanto, do empenho da autarquia numa solução a tempo de concluir a obra até 30 de junho.

Sem essa serventia, “não é possível a construtora concluir os arranjos exteriores, nem nenhum veículo pode aceder ao espaço”, segundo a mesma responsável.

“A intranquilidade é muito grande. Estão em causa reembolsos das verbas já gastas, penalizações por parte do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) e Segurança Social, cofinanciadores do projeto, e os futuros acordos de funcionamento”, sublinhou.

Ainda em causa estão “as certificações para se poder iniciar o funcionamento” do edifício.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link