Conecte-se connosco

Crimes

Judiciária deteve seis suspeitos de roubos a carrinhas de valores e residência de idosos

Publicado

em

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje seis homens suspeitos da prática de assaltos a carrinhas de transporte de valores e de ‘homejacking’, crimes registados em Famalicão, Gondomar e Ermesinde, anunciou hoje aquela força.

Em comunicado, a PJ refere que os detidos estão indiciados por crimes de associação criminosa, roubo agravado, sequestro agravado, violência depois da subtração, detenção de arma proibida, falsificação de documentos agravado e tráfico de estupefacientes.

Os detidos têm entre 36 e 55 anos e não apresentam qualquer atividade profissional, “não lhes sendo conhecidos bens e/ou rendimentos de origem lícita”.

Paralelamente, foram cumpridos vários mandados de busca domiciliária e não domiciliária em várias localidades do Grande Porto, em Braga, Famalicão e Guimarães, diligências presididas por um juiz de instrução criminal do Tribunal de Guimarães.

As buscas resultaram na apreensão de viaturas automóveis, armas de fogo, munições, produto estupefaciente, dinheiro, equipamentos de comunicações e objetos de valor.

No decurso das buscas, foi ainda detido outro indivíduo, por detenção de armas proibidas e posse de produto estupefaciente.

O Inquérito, titulado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Guimarães, teve origem num ‘homejacking’, consubstanciado em roubo e sequestro agravados, ocorridos no dia 01 de julho de 2020, numa freguesia do concelho de Vila Nova de Famalicão.

As vítimas foram duas idosas que habitavam numa residência, a quem os autores roubaram cerca de 50 mil euros, peças e objetos em ouro, relógios de marca e duas viaturas topo de gama.

Posteriormente, e tendo por alvo viaturas de transporte de valores, em 26 de fevereiro de 2021 foi cometido um roubo agravado consumado em Gondomar, em 13 de setembro um roubo agravado tentado em Ermesinde e em 19 do mesmo mês um roubo agravado consumado em Vila Nova de Famalicão.

Os detidos vão ser presentes às autoridades judiciárias competentes no Tribunal de Guimarães, para primeiro interrogatório judicial e eventual aplicação de medidas de coação.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade