Conecte-se connosco

Coimbra

José Manuel Silva diz que “cozido à portuguesa não resultou mal” e promete uma Coimbra do “terceiro milénio” (com vídeos)

Publicado

em

José Manuel Silva que acaba de tomar posse como presidente da Câmara Municipal de Coimbra afirmou que “hoje começa um futuro diferente para Coimbra” e que a cidade vai “finalmente entrar no terceiro milénio”. O autarca eleito pela megacoligação Juntos Somos Coimbra diz que “o tempero final deste do cozido à portuguesa, como alguém lhe chamou, não resultou mal” e promete um executivo “mais democrático” e mais próximo das instituições do concelho.

“Todo o caminho de crescimento da coligação Juntos Somos Coimbra representou, e continua a representar, uma experiência humana e política inolvidável e frutuosa, um bom exemplo de democracia participativa que merece ser replicado noutros concelhos. Permitiu-nos conhecer mais de perto a complexidade partidária, é certo, mas também o lado bom de tantos militantes dos partidos políticos que genuinamente anseiam por construir um Portugal melhor”, disse José Manuel Silva no seu discurso após a tomada de posse. “O tempero final deste inovador cozido à portuguesa, como alguém lhe chamou, não resultou mal. Com diálogo franco e honesto tudo se torna possível, em nome de um bem maior, o amor pela nossa terra”, atirou.

“Com o máximo respeito pelo passado, o alicerce sobre o qual nos edificamos, hoje começa, de jure et de facto, um futuro diferente para Coimbra, que poderíamos resumir dizendo que Coimbra, cidade com mais de 2000 anos de história, vai finalmente entrar no terceiro milénio”, sublinhou.

Na sua intervenção, o novo presidente da Câmara de Coimbra deixou ainda uma palavra aos trabalhadores camarários que considerou “fundamentais” e disse que vai “abrir a Câmara e trabalhar em conjunto com as principais instituições do concelho, unindo esforços, aproveitando sinergias e multiplicando o imenso potencial de Coimbra, está no topo da pirâmide”. Nesse sentido, anunciou que já amanhã vai ter uma reunião de trabalho com o reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar falcão. 

José Manuel Silva realçou que o regimento das reuniões do executivo “irá ser mais democrático” e que na Assembleia Municipal pretende “introduzir medidas inovadoras, nomeadamente promovendo, todos os anos, antes da sua aprovação definitiva no executivo, uma reunião extraordinária da Assembleia para debate livre, aberto e consequente sobre o orçamento e as GOP [Grandes Opções do Plano], regressando posteriormente, conforme a Lei, para a sua votação formal”.

“A democracia ampla e o debate de ideias e propostas são a base da cidadania e do desenvolvimento”, frisou.

 O edil revelou ainda que o seu primeiro despacho enquanto presidente da Câmara será cumprir com a decisão do júri do concurso para o cargo de diretor do Departamento Jurídico do município, nomeando a candidata Joana Filipa oliveira, pelo período de três anos. Em 2020, o antigo presidente do município, Manuel Machado (PS), decidiu não homologar a decisão do júri do concurso, considerando, segundo o jornal local Campeão das Províncias, que Joana Filipa Oliveira não era detentora do perfil mais adequado. “A cultura do mérito, da legalidade e responsabilidade, orientadora da ação dos titulares dos cargos dirigentes […], passará a ser uma constante da nossa vida, nomeadamente no procedimento de seleção e de provimento dos cargos dirigentes”, realçou.

A desmaterialização da autarquia, tema já muito abordado durante a campanha, foi outro dos destaques no primeiro discurso de José Manuel Silva como presidente do município. “A Câmara de Coimbra tem de tornar-se numa organização eficiente e sem papel, finalidade para a qual vamos trabalhar intensamente, sem dela nunca nos desviarmospois é vital para Coimbra”, referiu. “Todos os documentos produzidos internamente serão em formato digital, nas configurações já definidas, e deixarão de ser reproduzidos em papel”, adiantou. 

Outra das prioridades centra-se na atração de investimento, avançando que o executivo que lidera já começou a marcar reuniões com investidores e empresários por forma a promover uma “moderna reindustrialização” do concelho. “A via verde para o investimento vai ser uma realidade a todos os níveis e iremos constituir um Conselho estratégico para o desenvolvimento”, sublinhou. 

“Espera-nos algo quiçá superior aos doze trabalhos de Hércules, pelo que pedimos a vossa indulgência durante os primeiros dois anos da nossa governação, até porque, por falta de tempo útil, só o Orçamento e as GOP para 2022/23 refletirão a nova e fervilhante filosofia CulTec para Coimbra”, disse ainda.

José Manuel Silva encabeçou a coligação (PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Aliança/Rir/Volt) que conquistou a Câmara de Coimbra, com maioria absoluta, impedindo a reeleição de Manuel Machado para um terceiro mandato.

Veja aqui o direto NDC com as declarações de José Manuel Silva:

Veja aqui o direto NDC com o discurso na íntegra do novo autarca de Coimbra:

 

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade