Conecte-se connosco

Lazer

José Cid edita “Vozes do Além” com “15 poemas geniais”

Publicado

em

o músico José Cid regressa ao ‘rock’ progressivo em “Vozes do Além”, o 25.º álbum de estúdio, a ser editado na sexta-feira, no qual canta poetas como Natália Correia e Sophia de Mello Breyner Andresen.

“Vozes do Além”, editado em triplo vinil e duplo CD, começou quando o produtor Rui Vaz mostrou a José Cid o poema “Um Dia”, de Sophia Mello Breyner Andresen, para que este o musicasse.

“Agarrei na ideia, que aborda completamente a ideia da reencarnação, fui procurando noutros poetas – Natália Correia, Federico Garcia Lorca, Fernanda de Castro e outros – e fui descobrindo poesia que só noutro sentido é que conseguiria fazer – eu tenho um lado poeta mas não tão intenso”, afirmou o músico e compositor, em entrevista à agência Lusa.

José Cid acabou por juntar “15 poemas geniais”, que começou depois a “musicar de uma forma ousadinha”, puxando dos galões “de músico nomeado, a nível mundial, de rock sinfónico e de algumas harmonias jazzísticas e cenas jazzísticas” que adquiriu “ao longo da vida”.

“Vamos juntar isto tudo e fazer uma coisa instrumentalmente um bocado à frente, mas sempre numa atitude de rock sinfónico ou de rock progressivo ou de ‘power ballad’ ou até de temas mais planantes mas que soam a esotérico, também um pouco”, recordou.

Quando se fala de “Vozes do Além” como uma empreitada, José Cid concorda. “Empreitada é a palavra certa, se é que se pode ligá-la à inspiração pura e ao conhecimento de uma área que eu domino”, disse à Lusa.

Além de palavras de outros autores, entre os quais também figura Arnaldo Trindade com um poema “absolutamente arrepiante”, José Cid canta ainda letras suas.

“Os outros poemas têm todos muito sonho e, nos meus, que são dois ou três, confronto Deus, e se Deus não me responder vou perguntar às Vozes do Além, que me elucidam nessas coisas, a mim e a todos”, referiu.

José Cid alerta que “Vozes do Além”, o álbum, “é muito ousado” e “não tem nada que ver com ‘10.000 anos depois entre Vénus e Marte'”, álbum de rock progressivo que editou em 1978.

“Este álbum é diferente e não conta uma história com princípio, meio e fim, como o ’10.000 anos […]’, mas conta uma história por cada poeta. Cada poeta tem a sua opinião concreta sobre o que é a vida depois da morte. Cada tema é um mundo, cada tema por si é concetual”, disse à Lusa.

Em “Vozes do Além”, que conta com 20 temas, José Cid contou com a participação do músico e compositor Tozé Brito, da radialista Inês Meneses e das bandas Prana e Ganso.

“Ao Tozé e à Inês lancei o desafio de escrevermos uma letra os três. Eu escrevia um verso, o Tozé outro e a Inês outro, tudo sobre reencarnação. Tinha que ligar tudo e fizemos o poema, ‘Reencarnar é possível’. O Tozé fez a harmonia e eu a melodia”, contou José Cid sobre o tema, cantado por Tozé Brito e Inês Meneses.

Os Prana, “francamente bons”, participam no tema “Homem do Além”, que escreveram e compuseram, e os Ganso – “banda emergente muito interessante” -, que ensaiam na aldeia onde vive José Cid, no concelho de Anadia, entram em “Porta Fechada”, poema de Fernanda de Castro.

Este último poema é, de acordo com José Cid, “o único negacionista no meio de todos” que estão no álbum. “Porque ela afirma que não tenhamos pressa, porque no fim de tudo, quando subirmos as escadas, não temos hipótese de continuar, porque há uma porta fechada, não há reencarnação”, explicou.

Aos poucos, José Cid foi “juntando as peças do puzzle” que é “Vozes do Além”. Algo que levou algum tempo, porque antes da pandemia o músico tinha “um bocado de preguiça para arrancar”. “Descansava dos concertos e mal tinha tempo para respirar”, recordou.

Com a chegada da pandemia da covid-19 a Portugal, em março do ano passado, que levou a sucessivos adiamentos e cancelamentos de espetáculos, José Cid resolveu então atirar-se, “arregaçar as mangas”, chamando os “músicos de rock sinfónico” com quem toca e o seu produtor, Francisco Martins, que é também um dos músicos que o acompanham.

“Acabei por juntar isto tudo e acabar o álbum”, contou, partilhando que então se deparou com um problema: “Não tinha dinheiro para o editar”.

“É um triplo vinil com um grafismo soberbo, um disco rosa, outro roxo e outro azul. E um duplo CD com um grafismo também sumptuoso”, disse à Lusa. Para a capa, usou uma pintura a óleo da autoria da mulher, Gabriela Carrascalão.

“Vozes do Além” foi editado, explicou, com a ajuda do apoio que recebeu do programa Garantir Cultura.

O álbum é apresentado ao vivo no sábado, em Anadia, no dia 17 de dezembro, no Rock Café, no Porto, e, no próximo dia 18, no Capitólio, em Lisboa.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link